Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Cigarro pode aumentar risco de esquizofrenia, aponta pesquisa

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h59 - Publicado em 14 jul 2015, 15h00

Por Ione Aguiar, do Brasil Post

Parar de fumar te parece quase impossível? Aqui está mais um motivo para banir o cigarro da sua vida. Um novo estudo sugere que fumar pode aumentar o risco de desenvolver esquizofrenia. A descoberta foi publicada na Lancet Psychiatry, uma das revistas científicas mais prestigiadas do mundo.

A ligação entre o cigarro e a esquizofrenia não é nova. Pesquisas anteriores apontavam que o índice de tabagismo entre os esquizofrênicos é maior que entre a população geral. Porém, acreditava-se que os esquizofrênicos simplesmente recorriam mais ao cigarro para tentar lidar com o estresse causado pela doença. Agora, pesquisadores da Kings College London apontam que pode haver uma relação de causalidade entre o cigarro e a esquizofrenia.

O dobro da chance

Após analisarem 61 estudos, com um total de 290 mil participantes, os pesquisadores descobriram que pessoas que fumam diariamente têm o dobro de chance de ter esquizofrenia.

Além disso, fumantes tendem a desenvolver a doença um ano antes dos não-fumantes. A explicação mais provável é que a nicotina altera os níveis de dopamina – neurotransmissor associado à sensação de euforia — no cérebro.

Nos últimos 50 anos, a explicação mais acolhida pela comunidade científica para a causa da esquizofrenia é a “hipótese da dopamina”. Segundo esta corrente, a esquizofrenia decorre do excesso de dopamina no lobo temporal, região responsável pela percepção e pela memória, e de sua falta no lobo frontal, região ligada ao pensamento.

Hoje, mais de 21 milhões de pessoas sofrem de esquizofrenia ao redor do mundo.

Continua após a publicidade

Publicidade