Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Marcapasso para depressão

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h31 - Publicado em 31 out 2004, 22h00

Dante Grecco

Um aparelhinho é a aposta mais recente dos médicos para tratar pacientes com depressão. Semelhante a um marcapasso , ele é colocado no peito e estimula, por meio de pequenos impulsos elétricos, um nervo que se conecta com o cérebro. O dispositivo chama-se Vagal Nerve Stimulation (VNS) e é indicado às pessoas que não respondem ao tratamento habitual com remédios ou terapias. “Cerca de 30% dos pacientes que sofrem de depressão grave não respondem aos medicamentos”, diz Joel Rennó Jr., médico do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

O VNS é colocado do lado esquerdo do peito em uma cirurgia simples. O aparelhinho conecta-se ao nervo vago na altura do pescoço por meio de um fio condutor e emite pequenos pulsos intermitentes entre 0,25 e 3,5 miliampères. O nervo vago atua como um “calibrador”, controlando excessos de impulsos enviados pelo resto do corpo ao cérebro. “O efeito antidepressivo deve estar relacionado à estimulação que o nervo vago faz no sistema nervoso central, incluindo o sistema límbico, que rege as emoções”, diz Joel.

Estudo recente testou o VNS em 180 pacientes que não respondiam a tratamentos convencionais contra depressão, obtendo bons resultados em metade deles. A FDA (agência americana que regula o uso de medicamentos), no entanto, faz restrições ao uso do VNS. “Ele só deve ser usado depois de esgotadas todas as formas de tratamento psiquiátrico”, afirma o médico. Para completar, o preço é salgado: o aparelhinho não sai por menos de 33 mil reais, fora despesas médicas.

Choque certeiro

Onde é instalado e como age o VNS

1. O gerador

Continua após a publicidade

O VNS emite pequenos impulsos elétricos que, por meio de um fio condutor, estimulam o nervo vago

2. O regulador

O nervo vago atua como um calibrador, regulando a intensidade dos impulsos elétricos que chegam ao cérebro

3. O alvo

Ao atingir o sistema nervoso central, os impulsos gerados pelo VNS e calibrados pelo nervo vago acabam tendo efeito antidepressivo

Continua após a publicidade
Publicidade