Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Mulher trans consegue amamentar graças a terapia de lactação

Tratamento experimental, com supervisão médica, incluiu doses de vários hormônios -e permitiu que a paciente produzisse 227 gramas de leite por dia

Por Ana Carolina Leonardi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 fev 2018, 13h48 - Publicado em 15 fev 2018, 13h35

Endocrinologistas americanos publicaram, pela primeira vez na história, o registro médico de uma mulher transgênero que, graças à lactação induzida, conseguiu amamentar seu filho recém-nascido.

O estudo de caso conta que a mulher, que tem 30 anos e permaneceu anônima, foi submetida a um tratamento hormonal experimental de três meses e meio. Os resultados permitiram que seu bebê fosse exclusivamente alimentado com leite materno por 6 semanas e crescesse saudável durante todo o período.

O nenê estava sendo gestado pela companheira da paciente, que não tinha interesse em amamentar. Assim, quando a gravidez atingiu cinco meses e meio, ela buscou o centro especializado em medicina trans do Hospital Monte Sinai, em Nova York, para descobrir se poderia assumir a função de amamentar o bebê.

Seis anos antes disso, a paciente já recebia um tratamento hormonal razoavelmente comum para mulheres trans, que inclui estrogênio e progesterona, os hormônios femininos, assim como a espironolactona, uma substância antiandrógena – ou seja, que reduz os níveis de testosterona no organismo. Graças a esse tratamento, os seios da paciente se desenvolveram sem intervenção cirúrgica.

Continua após a publicidade

Já durante o tratamento para lactação, as doses dos hormônios que ela já tomava foram aumentadas, e outros remédios foram adicionados pelos médicos.

Um deles, a domperidona, que é usado tradicionalmente para náuseas, é controverso: em fóruns online, mulheres trans compartilham dicas – e dali teria vindo a ideia de usar a domperidona como indutora da lactação. A diferença, é sempre bom deixar claro, é que o teste foi feito com acompanhamento médico constante, dentro de um hospital preparado.

Além da parte química, os médicos tentaram também um gatilho físico do leite: estimular as mamas com uma bomba tradicionalmente usada para extrair leite materno durante a amamentação. A bomba era usada por 5 minutos, três vezes ao dia. 

Continua após a publicidade

Com um mês de tratamento, a paciente começou a expelir algumas gotinhas de leite. Ao fim da terapia, sua produção chegou ao ápice de 227 gramas de leite por dia. Com essa quantidade de leite, ela conseguiu manter o regime de amamentação exclusiva por seis semanas. O pedriatra que acompanhou o bebê nesse período concluiu que ele se desenvolveu de forma normal e saudável.

Mesmo assim, 227 gramas fica abaixo do que um bebê de poucas semanas consome diariamente. Da sexta semana em diante, a mãe optou por complementar a amamentação com o famoso leite em pó para recém-nascidos.

O artigo, vale lembrar, é um estudo de caso, que registra casos importantes para a literatura médica. Faltam outros tipos de pesquisa que avaliem, no longo prazo, se a amamentação trará algum outro tipo de impacto. É preciso, também, que a análise química e nutricional do leite da paciente seja publicada. Só aí é que será possível cravar se o tratamento é eficiente e seguro para ser replicado em outros casos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.