Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pesquisa brasileira quer curar trauma com ecstasy

O estudo, para tratar estresse pós-traumático com MDMA, buscará financiamento por crowdfunding

Por Denis Russo Burgierman Atualizado em 4 nov 2016, 19h01 - Publicado em 3 nov 2015, 13h30

Diante dos resultados promissores do MDMA, princípio-ativo do ecstasy, no tratamento de estresse pós-traumático, o neurocientista brasileiro Eduardo Schenberg lançou um crowdfunding para financiar o primeiro estudo brasileiro sobre o tema. “Será um estudo em pequena escala, com quatro pacientes”, diz Schenberg. “O que queremos é nos preparar e treinar a equipe para participar de um grande estudo internacional que acontecerá em 2017.”

Uma recente pesquisa americana com vinte indivíduos revelou índices de cura impressionantes para essa doença, que é muito debilitante e difícil de tratar. É importante fazer estudos em vários países porque há grandes diferenças regionais na incidência de estresse pós-traumático. Nos Estados Unidos, há um surto crescente da síndrome entre veteranos de guerra – quase 20% deles apresentam os sintomas. Há também uma taxa assustadora de suicídios entre esses pacientes. Em Israel, a doença também afeta veteranos de guerra, além de vítimas de terrorismo e sobreviventes do Holocausto que convivem com o mal há muitas décadas.

No Brasil, a situação é bem diferente, mas nem por isso mais animadora. As grandes cidades brasileiras estão entre as recordistas mundiais de distúrbios mentais. Em São Paulo e no Rio, cerca de 10% da população sofre de estresse pós-traumático, um índice equivalente aos de regiões em guerra. Por aqui, mulheres são mais afetadas que homens.

Schenberg optou pelo crowdfunding por causa da crise econômica no Brasil, que está tornando muito difícil conseguir financiamento governamental para pesquisa científica. Mais difícil ainda quando se trata de pesquisa envolvendo uma substância tão polêmica.

Continua após a publicidade

O grupo de pesquisa já conseguiu aprovação do Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, órgão do Ministério da Saúde que autoriza esse tipo de pesquisa com humanos. Eles já têm também o MDMA, que será doado pela Maps (Sociedade Multidisciplinar de Estudos Psicodelicos, na sigla em inglês), embora a burocracia para fazer a importação seja um desafio a superar. A Maps também contribuirá com 15 mil dólares para realizar os experimentos. O objetivo dos pesquisadores é levantar outros 50 mil reais por crowdfunding.

Para ajudar a viabilizar o estudo, clique aqui.

Veja o vídeo do crowdfunding.

VEJA MAIS: Ecstasy cura trauma, dizem pesquisadores

Entenda a pesquisa:

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)