Clique e assine a partir de 8,90/mês

Qual é o feijão mais popular no Brasil?

É aquele mesmo que você está pensando. O inusitado é que ele é jovem: existe há pouco mais de 40 anos.

Por Fábio Marton - Atualizado em 6 dez 2019, 12h55 - Publicado em 31 ago 2004, 22h00

O feijão carioca, marronzinho, é de fato o melhor amigo do nosso arroz: domina 71% da produção.

O que quase ninguém sabe é que o feijão mais popular do país do arroz-com-feijão só existe há pouco mais de 40 anos. O carioquinha recebeu esse nome por ter a cor parecida com a de uma certa raça de porco, chamada “carioca”. E foi desenvolvido em 1971 a partir de mutações e cruzamentos de outras variedades de feijão marrom, como o jalo e o mulatinho. Esse feijão turbinado produz o dobro das variedades tradicionais e, com preço mais acessível, dominou todo o país.

Todo? Não, duas aldeias ainda resistem… No Rio Grande do Sul e, ironicamente, no Rio de Janeiro, o “carioquinha” não tem vez. Segundo o historiador Carlos Antunes, da Universidade Federal do Paraná, a origem dessa diferença é dos tempos do Brasil colonial. Para ele, o consumo de feijão no Sul e Sudeste do Brasil seguiu o caminho de dois tipos de viajante: os tropeiros e os bandeirantes. Como esses exploradores iam fundando cidades por onde passavam, cada região acabou herdando o gosto de seu colonizador.

Os tropeiros, mercadores de produtos da agropecuária gaúcha, consumiam feijão-preto sem caldo e com farinha de mandioca, lingüiça e toucinho, para facilitar o transporte e conservação. Já os paulistas, goianos e mato-grossenses foram influenciados pelos bandeirantes, que levavam feijão marrom e com caldo em farnéis, bolsas de couro impermeáveis. O Rio de Janeiro aderiu ao feijão-preto quando a feijoada foi inventada, no século 19, e acabou abolindo todos os outros tipos da leguminosa.

A região de Belém do Pará tem a história mais curiosa: o gosto regional por feijão-manteiguinha e fradão – variantes do feijão americano de chili – foi introduzido pelos funcionários das indústrias Ford, que se instalaram lá no começo do século 20 para a extração de borracha.

Continua após a publicidade

FEIJÕES PARA TODOS OS GOSTOS

Fradão

Onde: Pará

Prato: Filhote de pai-d’égua. Um vinagrete com feijão servido com farofa, arroz e peixe filhote no espeto

Mulatinho

Onde: Parte do Nordeste

Prato: Feijoada nordestina. É como a tradicional, mas acrescida de abóbora e aipim

Feijão-de-corda

Onde: Ceará

Continua após a publicidade

Prato: Baião-de-dois. Uma mistura de feijão, carne de charque e arroz, regada com manteiga de garrafa

Fradinho

Onde: Bahia

Prato: Acarajé. Bolinho de feijão recheado com vatapá, camarão e vinagrete

Preto

Onde é mais comum: Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul

Prato: Feijoada, óbvio. Mas no RJ e no RS o grão é sempre preto, seja no prato que for (nota do editor: parabéns, cariocas e gaúchos, vocês fizeram a escolha certa). Partes de Santa Catarina, Paraná e Espírito Santo seguem a onda.

Continua após a publicidade

Branco

Onde: Santa Catarina

Prato: Eisbein com feijão-branco. Joelho de porco cozido, servido tradicionalmente com feijão-branco

Cavalo

Onde: Paraná

Prato: Salada de feijão-cavalo. Salada simples de feijão, cebola e azeite. É servida para acompanhar a carne de churrasco

Continua após a publicidade

Jalo

Onde: Minas Gerais

Prato: Feijão-tropeiro. Feijão sem caldo misturado com farinha de mandioca e ovos fritos em pedaços

Rosinha

Onde: Centro-Oeste

Continua após a publicidade

Prato: Feijão à moda do Pantanal. Uma mistura de feijão, lombo de porco, lingüiça e repolho-branco

Carioca

Onde: Em todo o país

Prato: Todos. É o alimento-base do País, poxa. Só não misture com macarrão, por favor.

Publicidade