Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Nanorrobô ajuda espermatozoides a nadar; veja como funciona

A ferramenta consegue fazer com que espermatozoides com problemas no flagelo possam fecundar óvulos

Por Felipe Germano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 19h02 - Publicado em 18 jan 2016, 13h15

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), até 15% dos casais ao redor do globo têm problemas de fertilidade. Uma das causas recorrentes é a baixa motilidade espermática – produção de espermatozoides que têm defeitos no flagelo, e por isso não conseguem nadar até o óvulo. Para tentar corrigir isso, o Instituto de Nanociência Integrada de Dresden, na Alemanha, inventou uma espécie de prótese para espermatozoides.

LEIA: Novo dispositivo pode ajudar a selecionar melhores espermatozoides

Chamado de spermbot (algo como espermobô), o dispositivo serve para suprir a necessidade de um flagelo saudável. Na experiência, os cientistas coletaram uma amostra de espermatozoides, que foram colocados numa placa de Petri. Em seguida, foram manobrando remotamente o spermbot (que é feito de titânio e níquel) usando um conjunto de ímas, até que ele se encaixasse num dos espermatozoides.   

O spermbot prende o flagelo defeituoso dentro de si, deixando a cabeça do espermatozoide para fora. Em seguida, guiado pelo campo magnético, ele vai até o óvulo. Na hora da fecundação, a o robô microscópico se desprende do espermatozóide, para que ele possa penetrar no óvulo. A Sociedade Americana de Química produziu um vídeo que mostra o funcionamento da técnica. Veja abaixo:

 

Continua após a publicidade

Por enquanto, a técnica só foi testada em células animais, mas a ideia é desenvolvê-la para que possa ser usada em humanos, em clínicas de reprodução assistida. Ela promete duas vantagens em relação aos procedimentos que existem hoje, como a fertilização in vitro e a inseminação artificial. Maior índice de sucesso, que ficaria próximo de 100% dos casos (contra 30% da inseminação artificial), e custo mais baixo que a fertilização in vitro (que os planos de saúde não cobrem, e chega a custar R$ 20 mil por tentativa). O spermbot tende a ser bem mais barato, porque pode ser guiado automaticamente, por computador. Já a fertilização in vitro é um procedimento manual, em que o médico introduz um espermatozoide em um óvulo coletado da mulher – processo extremamente delicado e especializado, e por isso caro. 

A espera, porém, pode ser longa. Os próprios pesquisadores envolvidos na pesquisa apontam que ainda há um longo caminho pela frente. De acordo com o estudo, entre as principais dificuldades atuais do projeto está o desafio de fazer com que o spermbot capture e solte os espermatozoides de maneira mais rápida. O lado bom é que os testes já revelaram que a técnica não é prejudicial aos gametas.

LEIA TAMBÉM:
Sêmen tem propriedade antidepressiva
Quantos espermatozoides um homem produz na vida toda?
Você, o espermatozoide vencedor

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.