Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Quem é o dono da Lua?

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 18h39 - Publicado em 1 mar 2005, 01h00

Marcelo Bortoloti

Todo mundo. Pelo menos é isso que diz um acordo assinado pelos membros da ONU em 1967. O Tratado do Espaço estabeleceu que nenhum país pode se apropriar de corpos celestes, mas não fez qualquer restrição quanto à exploração comercial ou científica. A única tentativa de organizar esse tipo de exploração ocorreu em 1979, quando a ONU criou o Acordo da Lua. O projeto fracassou, já que Estados Unidos e Rússia não aderiram. Sem regras estabelecidas, o direito de uso é de quem chegar primeiro.

China, Japão, Índia, Europa e Estados Unidos já se preparam para novas viagens à Lua. Dessa vez, para ficar. A idéia é explorar o solo do satélite artificial, rico em selênio (mineral utilizado na prevenção ao câncer), e investigar a existência de água congelada a poucos metros de profundidade, o que facilitaria a instalação de bases espaciais para viagens mais longas.

Especialistas estão preocupados. “Não podemos deixar que aconteça na Lua o que aconteceu na Terra, onde guerras e conflitos delimitaram territórios”, diz o brasileiro José Monserrat, perito em direito espacial.

Do outro lado, alguns empresários já pressionam os governos para estabelecer propriedades privadas no satélite. A organização Space Frontier Foundation faz conferências anuais para empreendedores que queiram explorar esse filão. Do jeito que a coisa vai, ao invés de terra de todos, a Lua pode acabar virando terra de ninguém.

Continua após a publicidade

Idéias lunáticas

Projetos comerciais mirabolantes para o satélite

Hospedagem

A rede internacional de hotéis Hilton e a construtora japonesa Shimizu estão estudando a construção de um resort com 5 mil quartos em solo lunar. Os hóspedes poderão aproveitar a baixa gravidade para jogar golfe a distância ou alugar máquinas de voar

Moradia

Em breve você poderá mudar de planeta. O projeto Artemis (www.asi.org) estuda construir uma colônia auto-sustentável na Lua. Quem não quiser esperar pelas obras pode recorrer à Lunar Embassy (www.lunarembassy.com), que há 23 anos vende terrenos por lá

Continua após a publicidade

Negócios

Procurando emprego? A empresa Transorbital envia cartões de visita para a Lua. Por 2 500 dólares você manda até três cartões, que ficam guardados numa cápsula no solo lunar. Objetos pessoais como fotos e roupas também podem ser enviados (www.transorbital.net)

Funeral

Um enterro abençoado por São Jorge. A empresa Celestis oferece vários pacotes para quem quiser enviar seus restos mortais ao espaço. Mandar 1 grama das suas cinzas até a Lua pode custar até 12 500 dólares aos seus familiares (www.celestis.com)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.