Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Tech: os 4 produtos mais interessantes de agosto

A pulseira da Amazon, uma carteira para criptomoedas, o biofertilizante de bactérias - e um robô chinês 97% mais barato que o americano

Por Bruno Garattoni 20 ago 2021, 07h57

Quase igual – e 97% mais barato

O robô quadrúpede Go1 anda, corre, desvia de obstáculos, carrega até 3 kg nas costas, é capaz de seguir uma pessoa – e também pode ser guiado por controle remoto. Tem cinco câmeras, sensores ultrassônicos, CPU de 16 núcleos, inteligência artificial. Ou seja, é bem parecido com o robô Spot, da Boston Dynamics. Mas com uma grande diferença: o Go1, da chinesa Unitree Robotics, custa US$ 2.700, contra US$ 74 mil cobrados pelo Spot.

Foto da pulseira Amazon Halo, com destaque para o detalhe na parte de trás.
Amazon/Reprodução

A (invasiva) pulseira da Amazon

Ela se chama Amazon Halo, custa US$ 100 e tem as funções normais de fitness band, como contar calorias queimadas e medir a frequência cardíaca. Mas vai além: também ouve tudo o que você fala (segundo a Amazon, é para medir o seu estado emocional a partir do tom de voz) e vem com um app que usa a câmera do seu celular para criar um mapa 3D do seu corpo e medir o nível de gordura.

Foto da carteira eletrônica D’Cent.
‎IoTrust/Reprodução

Uma carteira para criptomoedas

Você pode guardar criptomoedas no computador, celular ou até impressas num pedaço de papel. Mas os apps podem ser hackeados;  e o papel pode molhar, queimar ou se perder. A carteira eletrônica D’Cent promete uma solução melhor: ela é criptografada, isolada da internet e protegida com a sua impressão digital. Custa US$ 119.

Foto de uma caixa do biofertilizante ProveN.
Pivot Bio/Reprodução

O fertilizante de bactérias

O biofertilizante ProveN é feito com uma versão geneticamente modificada da bactéria KV137, que já existe naturalmente no solo. Com a alteração, ela se tornou capaz de extrair nitrogênio do ar e “fixá-lo” no solo – onde as plantas conseguem absorvê-lo. Segundo a empresa americana Pivot Bio, criadora do produto, ele é mais ecológico (os fertilizantes comuns, de nitrogênio sintético, acabam se infiltrando em lençóis freáticos e mananciais de rios) e barato: custa US$ 20 por acre, contra US$ 100 dos fertilizantes químicos, e pode ser usado em lavouras de milho, trigo, centeio e arroz.

Continua após a publicidade
Publicidade