Pôster

Como o boi vira bife

Há mais cabeças de gado do que de gente no Brasil - ainda que enviemos 43 milhões delas para o abatedouro todos os anos. Essa é a história da vida de um filé antes de ele chegar ao seu prato.

por Texto Patrícia Vieira

1. Monta Natural

É o jeito clássico de fazer filhos: na época de chuvas, a vaca entra no cio e o touro faz o que o touro deve fazer. Cerca de 90% dos bezerros nascem assim.

2. Inseminação artificial

Há ainda a fertilização induzida. Mas como detectar o cio? Para isso, usam-se vacas lésbicas (que recebem hormônio masculino) ou touros que não conseguem fecundar (por causa de cirurgias que entortam o pênis ou “amarram o prepúcio”). Esses animais carregam sacos de tinta e, ao tentar acasalar, mancham a vaca.

3. Fazendo bezerros

Identificado o cio, o veterinário usa uma das mãos para injetar a pipeta com sêmen na vagina da vaca. A outra ele coloca no ânus, para sentir se está injetando no lugar certo. Também é preciso estimular o clitóris para provocar um orgasmo. O líquido liberado no clímax é imprescindível à fecundação.

4. Nascimento

Os bezerrinhos nascem 10 meses depois. Eles serão amamentados e vacinados por 7 meses. Período concluído, as fêmeas voltam a engravidar. E os bezerros começam a engorda.

5. Pasto

Nos próximos dois anos e meio, o boi levará a vida que pediu ao deus bovino. Vai comer, beber, mugir com os amigos e fazer boizinhos. Só tem uma obrigação: engordar normalmente.

6. Confinamento

O abate se aproxima e a engorda é acelerada. Os bois são castrados e, para não perder peso, passam quase 3 meses sem andar. Mas a ração é de primeira: capim, cereais, melaço de cana, vitaminas e sais.

7. Transporte

Para um boi, a morte pesa 450 kg. Ao atingir esse peso, o animal é enviado ao matadouro. A viagem é estressante. O animal urina e sua mais do que o normal e chega a perder até 3% do peso.

 

8. Banho relax

As primeiras 24 horas no matadouro não são ruins. Para relaxar, recuperar o peso e esvaziar o intestino (o que facilitará a limpeza das tripas), os bois só bebem água e tomam duchas.

9. Exame final

Uma hora antes do abate, os bois são examinados. Quem passar no teste vai para a fila do abate. Os doentes são mortos separadamente. Se a doença for grave, carcaça é incinerada.

10. Corredor da Morte

Normalmente, há curvas para que os animais não saibam o que está acontecendo. E, nas paredes, dispositivos antiempaque dão choques leves ou emitem ruídos. Um banho evita que a sujeira contamine a carne.

11. Tiro certeiro

No boxe de atordoamento, o animal recebe um tiro com pistola de pressão – ou um dardo que perfura o cérebro – e desmaia. A partir daí, para que não corra o risco de acordar, o boi deve ser morto em no máximo 3 minutos.

12. Desmaio

Uma portinhola se abre e o animal cai desacordado numa espécie de esteira. Ele será içado pelas patas para ficar com o pescoço para baixo.

13. Corte certeiro

Primeiro, um corte na pele do pescoço. Depois, é só esticar o braço e chegar à jugular: o boi está oficialmente morto. Durante 3 minutos, seus 20 litros de sangue escorrerão numa canaleta para ser vendidos a fábricas de ração para cães e gatos.

14. Corte e costura

Começa o desmonte do boi. Os chifres são serrados, patas e rabo são cortados, o couro é retirado e o abdômen é aberto para a separação das vísceras. Só então a carcaça é colocada numa câmara de resfriamento para que a carne recupere seu ph normal – o estresse pré-morte libera ácido láctico, que endurece a carne.

15. Bife no prato

Cada brasileiro consome cerca de 26 quilos de carne por ano – 3º maior consumo per capita do mundo, atrás da Argentina e dos EUA.

Vaca sem filho vai para a Bolívia

Quem não engravida vai para o abate. E a carne, considerada mais dura, é vendida a mercados secundários, como Bolívia e Peru.

Boi doente vira vela

Se a doença não for grave, depois do abate a carcaça é enviada para a graxaria, onde será cozida numa panela de pressão gigante. O que sai é um caldo gorduroso, usado para fazer velas, detergentes, explosivos, tintas e pneus.

Utilidades da carcaça

Mucosa do estômago – Coalho e laticínios.

Pêlos do rabo – Pincéis e filtro de ar.

Tripas – Fios cirúrgicos, cordas para raquete e capa de salsicha.

Casco das patas e chifres – Pó para extintor de incêndio e lubrificantes.

Cálculos biliares – Pérolas artificiais.

Couro – Filme fotográfico, cola, gelatina e cápsulas farmacêuticas.

 

publicidade

anuncie

Super 340-b - Universo - o cosmos segundo a SUPER As melhores reportagens dos 27 anos da SUPER sobre o espaço, o tempo e os limites da ciência - agora revistas e atualizadas. Uma viagem do infinito ao infinitesimal. Como você nunca viu. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 340-b
novembro/2014

Universo - o cosmos segundo a SUPER
As melhores reportagens dos 27 anos da SUPER sobre o espaço, o tempo e os limites da ciência - agora revistas e atualizadas. Uma viagem do infinito ao infinitesimal. Como você nunca viu.

- sumário da edição 340-b
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Alimentação

publicidade

anuncie