As espécies podem ter problemas quando ocorre o cruzamento entre parentes próximos

O cruzamento de animais consangüíneos causa tantos problemas quanto nos seres humanos?

?O cruzamento de animais consangüíneos causa tantos problemas quanto nos seres humanos?

 

Todas as espécies podem ter problemas quando ocorre o cruzamento entre parentes próximos. Isso acontece porque os familiares carregam códigos genéticos parecidos e há uma maior possibilidade de que ambos possuam genes relacionados à mesma doença (veja o infográfico). Só que os animais que são criados para comercialização acabam passando por uma seleção artificial. Assim, um potro que nasce sem uma pata é sacrificado. Como ele morre cedo, não há chance de ter filhos e o gene da doença não passa para a geração seguinte. Por causa disso, as doenças genéticas são raras nos bichos domésticos. Entre os seres humanos isso não acontece. “Obviamente, ninguém mata uma criança quando ela nasce com problemas”, observa o geneticista Carlos Alberto Moreira Filho, da Universidade de São Paulo (USP). O gene sobrevive e pode ser passado para os filhos. Por isso, o risco genético é bem maior para os humanos. n

Curativo genético

Dois cavalos da mesma linhagem têm chance de gerar um filhote defeituoso.

Uma égua saudável tem um defeito num gene. Se cruzar com um cavalo de outra linhagem, o gene dele pode encobrir a falha e o filhote nasce normal.

 

Se a égua cruzar com um parente, é grande a chance de ele ter a mesma falha genética. Aí, o filhote recebe dois genes defeituosos e nasce com problema.

publicidade

anuncie

Super 339 - Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 339
novembro/2014

Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais
Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles?

- sumário da edição 339
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Ecologia

publicidade

anuncie