Saúde

Comer de 3 em 3 horas ajuda a emagrecer

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não há evidências científicas de que isso seja verdade

por Texto Giselle Hirata

Para quem defende essa tese, o raciocínio é muito simples: reduzindo o intervalo entre as refeições, você come porções menores e acelera o metabolismo. Isso facilitaria a digestão, facilitando a perda de peso também. De fato, fracionar a alimentação ajuda a comer menos em cada refeição. Mas isso não garante metabolismo acelerado. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não há evidências científicas de que esse procedimento diminua o risco de engordar. Ao contrário: a tendência é que você acabe perdendo o controle nas refeições intermediárias.

Para a nutricionista Renata Azevedo, especialista em obesidade, de nada adianta comer a cada 3 horas se a escolha dos alimentos for equivocada. O segredo não está no intervalo entre uma refeição e outra, mas nas calorias daquilo que se come. E na força de vontade de quem pretende emagrecer, é lógico. "Fracionar as refeições e comer porções menores pode dar certo, sim, mas tudo depende do indivíduo e das decisões que ele toma." Exemplo: ao decidir que vai comer porções menores de comida de 3 em 3 horas, você pode cair na boa e velha tentação dos salgadinhos. Nesse caso, pode esquecer - o ponteiro da sua balança jamais irá para baixo, só para cima.

Por outro lado, comer grandes porções poucas vezes ao dia também é má ideia. Segundo Renata, esse hábito traz consequências como o aumento do estômago e do intestino delgado, o que só contribui para o aumento de peso. O que se recomenda é comer menos e melhor, aliando cardápios saudáveis com atividade física. "É importante ter em mente que nenhuma dieta dá resultados imediatos", diz a nutricionista. "Perder peso pode demorar um bom tempo, qualquer que seja o método adotado."

 

 

publicidade

anuncie

Super 338 - Maconha medicinal Com uma guerra judicial envolvendo crianças, mães e o governo, a discussão sobre as propriedades médicas da maconha pega fogo no País. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 338
outubro/2014

Maconha medicinal
Com uma guerra judicial envolvendo crianças, mães e o governo, a discussão sobre as propriedades médicas da maconha pega fogo no País.

- sumário da edição 338
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Saúde

publicidade

anuncie