GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Por que pode matar boi, mas não cachorro? Porque cães são humanos

Joel Pinheiro da Fonseca pergunta, na Exame: “Se a morte do cachorrinho no Carrefour foi um ato desumano. A morte de milhões de bois diariamente não é?”

Meu ponto de vista: não, não é. Cachorros e bois têm uma coisa em comum: são dois seres vivos artificiais. Nem um nem outro existe na natureza – não na forma como os conhecemos. Ambos foram desenvolvidos por seleção artificial, ao longo de mais ou menos 15 mil anos – e tiveram sua produção largamente acelerada nos últimos 200 anos.

A diferença é que um animal foi construído para produzir volumes insanos de carne e de leite. O outro, para emular bebês humanos. Certos cãezinhos parecem bonecos porque, no fundo, é isso que eles são. Há 15 mil anos, passamos a alimentar e cuidar de lobos mais dóceis. Selecionamos os mais afáveis e dependentes para se reproduzir, e fomos matando os mais bravos, que mantinham o comportamento lupino, selvagem.

Com o tempo, boa parte desses descendentes dos lobos já tinha sofrido mutações genéticas o bastante para se tornar cães de colo, “bolinhas de amor” absolutamente incapazes para a vida selvagem. Coloque um Shi Tzu na sua casa, e ele passará mais de uma década fazendo fofuras – contra uns poucos anos de um rebento de Homo sapiens –, porque foi geneticamente programado para ser um filhote eterno. Coloque um Shi Tzu na natureza, e ele será devorado por joaninhas.

Entre os bois, o que chama a atenção é o tamanho da população. Há 1 bilhão de cabeças de gado no mundo. No Brasil, é uma cabeça de gado por habitante. Em estado natural, isso faria dos bois uma das espécies mais bem sucedidas em todos os tempos.

Não é o caso. Só existem um bilhão de bois porque há quem os coma. Não houvesse, teríamos uma população extraordinariamente menor – centenas de milhões de bois deixariam de existir. A atividade humana em relação aos bois não é de predação, é de engenharia biológica.

Claro que há um dilema sobre se engenharia biológica é algo ético ou não. E isso vale para o mundo dos cães também. Os pugs, por exemplo, já nascem com uma doença respiratória séria, que os fazem sofrer ao longo da vida toda – tudo para que tenham aquele rosto redondo de bebê, que humanos instintivamente acham fofo.

Meu ponto aqui, de qualquer forma, não é defender animais nem criadores de animais nem comedores de animais. É defender que não existe um debate completo, sobre nenhum assunto, sem a luz da psicologia evolutiva.

E, à luz dela, cães fazem parte daquilo que chamamos de “humanidade” – sim, o conjunto dos humanos, para efeitos práticos, é formado por duas espécies, o Homo Sapiens e o Canis Familiaris (o Felis Catus também pleteia seu lugar, mas não perde o ar de quem está pouco se lixando para isso). Bois não. Não fazem parte do nosso círculo íntimo. Pés de alface, menos ainda. Esses, por sinal, só se ferram – e não são menos vivos que bois, cães ou bebês. Se você perguntar para um alface se o desejo da vida dele é ser comido no auge da vida adulta, ele provavelmente responderá que tinha outros planos para sua breve existência neste planeta, mas você irá matá-lo do mesmo jeito.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s