Clique e assine a partir de 8,90/mês
Contando Ninguém Acredita Por Blog As notícias mais bizarras e surreais do mundo

Bilionário oferece R$ 132 milhões para homem que conquiste sua filha lésbica

Por Luiza Sahd - Atualizado em 4 jul 2018, 20h33 - Publicado em 27 set 2012, 16h37

Gigi (dir.) e a suposta namorada, Sean Eav.

Um dos mais conhecidos bilionários de Hong Kong está oferecendo o equivalente a R$ 132 milhões para qualquer homem que consiga seduzir sua filha lésbica e arraste a moça para o altar.

O magnata Cecil Chao, de 76 anos, que fez sua fortuna no setor imobiliário e em transportes de carga, prometeu publicamente a recompensa após relatos de que a filha, Gigi Chao, teria formalizado uma união na França com a namorada de longa data.

O bilionário – e solteirão convicto – afirmou à BBC que o a filha precisa mesmo é de “um bom marido”. A filha, uma empresária formada pela Universidade de Manchester, na Grã-Bretanha, teria formalizado uma parceria civil na França com sua namorada, Sean Eav, com quem se relaciona há sete anos, segundo relatos publicados na mídia de Hong Kong.

Continua após a publicidade

Mas o pai de Gigi insiste que a informação é falsa e conta que sua oferta generosa já despertou o interesse de muitos candidatos. “É um incentivo para atrair alguém que tenha talento, mas não o capital para iniciar seu próprio negócio”, afirmou Chao. “Não me importa que ele seja pobre. O importante é que ele seja generoso e de bom coração”, explicou.

Apesar da busca pública por um marido para a filha, Chao diz que não tentará forçará a filha a se casar contra sua vontade. Gigi Chao disse que achou a campanha do pai “divertida” e afirmou que não pensará mais no assunto até um candidato apto se apresentar.

O bilionário é conhecido em Hong Kong pela vida social agitada e comumente aparece nas colunas sociais ao lado de belas mulheres jovens. Segundo o diário South China Morning Post, ele já se vangloriou por ter se relacionado com mais de 10 mil mulheres.

A homossexualidade foi descriminalizada em Hong Kong somente em 1991, e as uniões de parceiros do mesmo sexo ainda não são reconhecidas.
* Com informações do UOL.

Publicidade