GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

A arte de enganar: os animais também mentem

Se você pensa que a desonestidade é monopólio dos seres humanos, não se iluda. Os animais se comunicam não só para trocar informações, mas também para mentir e ludibriar.

Paula Cleto

Pode ser surpresa para quem pensa que a desonestidade é uma característica exclusiva dos seres humanos, mas para muitos zoólogos não há dúvida: eles afirmam que os animais usam a linguagem muito mais para dissimular e mentir do que para trocar informações “honestas”. A natureza está repleta de bichos vigaristas, cujo comportamento chega a ser quase humano, no pior sentido dessa expressão. Um desses trambiqueiros é um jovem babuíno do sul da África, batizado de Paul pelos primatologistas ingleses Richard Byrne e Andrew Whiten, que o flagraram várias vezes passando o seguinte conto do vigário: assim que notou que uma fêmea arrancava uma suculenta raiz da terra, Paul pôs-se a gritar como se estivesse apanhando. Imediatamente, sua mãe apareceu e, pensando que a fêmea tivesse atacado seu filhote, expulsou-a. O esperto babuíno aproveitou para roubar e saborear a raiz.

Paul é apenas um dos 253 casos de mentiras contadas por macacos estudados pelos dois ingleses. Amparados pela quantidade de lorotas, Byrne e Whiten não hesitam em classificar os símios como criaturas maquiavélicas, que têm a chance de ser honestos mas insistem em enganar os próprios companheiros. Outro exemplo é o do chimpanzé Figan, que descobriu as vantagens da omissão. Ao encontrar algumas bananas, Figan soltou um grito para avisar o bando de que encontrara comida, conforme manda seu instinto. Os outros macacos apareceram e comeram as bananas. No dia seguinte, ele voltou a achar frutas, mas dessa vez não gritou. Fez um esforço supremo para conter o som, mas valeu a pena: comeu as bananas sozinho.

Byrne e Whiten conseguiram coletar os 253 casos graças a uma lista de farsas que poderiam ser obra de macacos enviada a mais de 100 primatologistas em todo o mundo. A resposta foi surpreendente: somente a família dos lêmures, animais de cérebro pequeno e organização social simples, não se encaixou em nenhuma das fraudes listadas. Além disso, os cientistas fizeram outra descoberta — quanto mais dissimulado o primata, maior o seu cérebro.

Mesmo as criaturas menos evoluídas e com cérebros menores do que os primatas têm sua dose de desonestidade. Que, aliás, não merece reprovação: para os cientistas ingleses John Krebs e Richard Dawkins, as mentiras são apenas elementos da justa disputa pela sobrevivência. Segundo eles, todo animal procura tornar seu ambiente o mais vantajoso possível para si mesmo. Se aparece um concorrente, é preciso expulsá-lo. Mas como uma luta aberta seria onerosa, pois pode acarretar ferimentos e não há garantias de vitória, é melhor tentar afugentar o intruso com ameaças.

O zoólogo americano Eugene Morton, da Smithsonian Institution, sugere uma incrível hipótese sobre as carriças, pequenas aves dos Estados Unidos. Segundo ele, esses pássaros defendem seu território por meio do canto. Assim, cada ave tenta ameaçar as outras, que se afastam e cedem terreno. Morton afirma que as carriças avaliam a intensidade e o timbre do canto do inimigo, pois de algum modo percebem que os sons são amortecidos de forma diferente pela floresta. Sons graves, por exemplo, costumam passar mais facilmente; se uma carriça ouve um som grave e outro agudo, sabe que o autor do segundo está mais perto. Mas o zoólogo garante que as carriças cantam na mesma freqüência, além de modificar sempre as canções. Ou seja, o canto nada mais é do que um bombardeio recíproco de mentiras.

Outro tipo de ameaça comum na natureza se relaciona com tamanho avantajado, que geralmente é sinônimo de perigo. Tais advertências serão mais bem-sucedidas quanto maior se insinuar o orador. Além do mais, parecer grande é melhor do que ser grande de fato. Uma ave corpulenta demais não voaria, um elefante monstro sucumbiria sob o próprio peso. Por isso, as aves abrem as asas e os felinos eriçam o pêlo da nuca, a fim de parecer mais assustadores do que realmente são. Algumas espécies de peixes diminutos das Ilhas Maldivas, no Oceano Índico, por exemplo, logram predadores maiores ao fazer seu cardume assemelhar-se a um só peixe gigante, navegando sempre bem perto uns dos outros.

No mundo das ondas sonoras não é diferente. O reino animal aprendeu a manipular instintivamente uma verdade biofísica valiosa: a de que sons graves refletem grandeza. O latido grave e carregado do cão são-bernardo, por exemplo, soa mais ameaçador do que a aguda gritaria de um chihuahua. A Física explica essa associação. O som vem da vibração das cordas vocais. Quanto maior for o comprimento delas, menor será a freqüência das vibrações. Os sons de baixa freqüência são percebidos como graves. Um animal pequeno, dono de cordas vocais curtas, produzirá ruídos mais agudos.

Essa lei física determina códigos de comunicação no reino animal. Para o zoólogo americano Eugene Morton, os sons graves indicam hostilidade ou agressão. Já os agudos são sinal de submissão ou carência. Ele ilustra a teoria com um exemplo simples: imagine ouvir de dentro de uma caverna escura um barulho fino e alto. Com todo o instinto de proteção despertado, será muito fácil acudir o animal. Mas se o som vindo da escuridão for grave e rouco, é melhor fugir da fera que deve morar na caverna. Praticamente todos os animais estudados pelos cientistas ameaçam com sons graves: os pássaros chilram em tom mais baixo, os cães rosnam e os felinos resmungam perigosamente. Com esses truques, alguns animais parecem ainda mais perigosos do que já são. O leão, por exemplo, complementa a poderosa mandíbula com a juba arrepiada e com seus rugidos extremamente graves.

Mas os bichos, assim como os homens, não conversam apenas para enganar uns aos outros. Justiça seja feita: a linguagem no reino animal serve também a propósitos mais nobres. Um exemplo é o dos elefantes e sua comunicação inaudível para os humanos. Os zoólogos se admiravam com o comportamento dos elefantes machos — habituados a passear pelas savanas sozinhos, eles subitamente correm distâncias quilométricas, como que atraídos por uma força misteriosa, e chegam sempre a uma fêmea no cio. A bióloga americana Katharine Payne, da Universidade de Butler, decifrou o enigma: constatou que as fêmeas chamam os machos com infra-sons, ruídos abaixo de 20 hertz que o ouvido humano não consegue captar. Hoje se sabe que os infra-sons não são usados unicamente nos períodos de acasalamento, mas também para socorrer um animal ferido ou induzir o grupo a fugir de algum perigo.

Em algumas espécies, o domínio do som já se transformou numa linguagem razoavelmente elaborada, como no caso dos macacos-do-sudão (Cercopithecus aethiops), estudados pelos zoólogos americanos Dorothy Cheney e Robert Seyfarth na África Oriental. Eles descobriram que os animais utilizam gritos para transmitir informações precisas: uma espécie de latido avisa a chegada de um leopardo. Imediatamente, os outros sobem na árvore mais próxima e se refugiam nos galhos finos, onde o pesado predador não pode pegá-los. O segundo sinal de alarme é um som gutural, traduzido pelos pesquisadores como “águia”. Ao ouvir esse alerta, o grupo procura um arbusto, de forma a não ser alcançado pela ave. Já ao som de um grito estridente, a reação é outra: levantam-se sobre as patas posteriores e aguardam a chegada da cobra anunciada.

A descoberta mais impressionante aconteceria nas florestas de Camarões. Os americanos encontraram um quarto sinal de alarme: um chamado suave e quase imperceptível. Para surpresa dos dois, ele significava “caçador”. Quando o ouviam, os macacos procuravam um arbusto denso, mas que permitisse uma saída por trás. Dorothy e Robert ficaram atônitos. O grupo não podia ter aprendido o chamado por herança genética, pois sua caça pelo homem é recente para que isso ocorresse. Além disso, os macacos-do-sudão de outras regiões, nunca perseguidos por humanos, não entendiam o alarme.

Surge aqui uma linguagem racional? Os pesquisadores não sabem responder, embora haja quem acredite que a fala humana nasceu exatamente assim — pela cooperação e não pela mentira — e que talvez um dia os macacos também cheguem às palavras. Só que para confirmar isso, os cientistas têm de esperar com paciência — provavelmente alguns milhares de anos.

Para saber mais:

Amor a quatro patas

(SUPER número 7, ano 3)

Maternidade no mar

(SUPER número 11, ano 4)

Toda a vida do mundo

(SUPER número 7, ano 4)

A fera sob a pele de um gato

(SUPER número 2, ano 6)

Eterno adolescente

Os adolescentes não falam mais só de skate e espinhas. Eles latem também. Um deles chegou a latir 907 vezes em 10 minutos. Claro que não foi um rapazinho mas sim um cocker spaniel que atingiu esse recorde. Por incrível que pareça, as duas coisas têm ligação: os cães ladram porque vivem numa adolescência perpétua. A conclusão é do biólogo Raymond Coppinger e do lingüista Mark Feinstein, do Hampshire College, em Massachusetts, Estados Unidos.

A imaturidade seria o preço pago por sobras de comida, casinha e afagos humanos que os cães começaram a receber há 10 000 anos. Só os canídeos mansos podiam se aproximar das al-deias e a docilidade é uma característica dos animais jovens. Os adultos, cujo comportamento é mais agressivo, quase não ladram — os latidos cor-respondem a apenas 2,5% de seus sons. O cruzamento repetido entre animais mansos nas aldeias teria infantilizado o cão. Coppinger e Feinstein também dizem que o latido não faz sentido, pois contém tons agudos, que chamam os outros animais, e graves, que os afugentam. É como dizer a alguém “venha aqui vá embora”, o tempo todo.

Conversas sem palavras

Além dos sons, os animais usam o corpo e os cheiros para se comunicarem e para mentir. O sapo, por exemplo, não possui defesa contra as cobras que o têm como destaque no cardápio mas consegue escapar delas: incha o corpo e eleva-se nas patas, parecendo muito maior e assustador do que realmente é. Mais honestos, os leões delimitam o território por meio do cheiro da urina. “É um aviso para que leões de outro grupo não se aproximem”, conta o zoólogo brasileiro Ladislau Deutsch.

Certas posturas também são códigos de conversa: em brigas entre lobos, um deles avisa que se rendeu ao oferecer o pescoço aos dentes do adversário. Tais recursos são fundamentais em situações delicadas como o acasalamento. “As espécies predadoras precisam deixar claro que o futuro parceiro não é um futuro jantar”, diz o zoólogo. A gaivota fêmea levanta a cabeça algumas vezes para mostrar que se interessou por algum macho charmoso. Já as fêmeas de mergulhão preferem virar a cabeça para o lado.

Mesmo com tantos salamaleques úteis, as espécies animais têm certa preferência pelo uso do som. Segundo o zoólogo americano Eugene Morton, quem se comunica por meio de ruídos ouve o que está dizendo, mantém as patas livres e os vestígios das mensagens desaparecem rápido. Para ele, essas vantagens tornam o som a mais eficiente entre todas as formas possíveis de linguagem.