Clique e assine a partir de 8,90/mês

A “ciência” da Terra plana

Se já é difícil entender como tamanha sandice ganhou alguma popularidade, pior ainda é a forma como os terraplanistas distorcem a ciência de verdade para justificar o injustificável. Veja aqui como eles imaginam o Universo em seus delírios, e porque o mero conceito de uma terra plana é completamente inconcebível.

Por Guilherme Eler, Alexandre Versignassi - Atualizado em 6 abr 2020, 17h51 - Publicado em 23 out 2017, 18h23

O termo “terraplanismo” virou sinônimo de “crendice sem fundamentos que não leva a lugar algum”. A astrologia, nesse sentido, é um terraplanismo. A maledicência das vacinas, outro. Chamar o coronavírus de “gripezinha”, mais outro. Nenhum terraplanismo, porém, é mais raso que o próprio terraplanismo.

A ciência sofre a esfericidade da Terra é mais antiga do que parece. O grego Eratóstenes, nascido em 276 a.C., não apenas supôs que a Terra era uma esfera como mediu a circunferência do planeta sem contar com tecnologia alguma.

Ele fez isso comparando os ângulos com que a luz do Sol incidia em dois postes instalados em duas cidades distantes. Supondo acertadamente que o Sol é grande (e longínquo) o bastante para que seus raios cheguem à Terra sempre paralelos uns aos outros, ele concluiu que o que causava a diferença entre os ângulos nos postes só poderia ser uma (até então) suposta curvatura da Terra. Com os dados na mão, Eratóstenes calculou que o planeta é uma esfera com 46 mil quilômetros de circunferência. Uma precisão absurda para 2 mil anos atrás: a medida real é de 40 mil quilômetros.

A Astronomia nasceu, ainda na Grécia Antiga, já entendendo a Terra como o que ela é: uma bola, em meio a outras bolas Universo afora. As grandes navegações foram só a prova prática, e final, da redondeza do planeta – elas mostraram que ao navegar cada vez mais para o Ocidente, uma hora você chega ao Oriente, como fez Fernão de Magalhães fez no início do século 16. E de lá para cá as coisas ficaram bem redondas. A ideia de que a Terra é plana simplesmente deixou de fazer parte do mundo racional – e do irracional também, já que todas as grandes religiões aceitam a esfericidade da Terra como um fato da natureza.

As conspirações terraplanistas da forma como as conhecemos hoje são recentes – ainda que não TÃO recentes. O marco é o ano de 1881, quando Samuel Rowbotham publicou Astronomia Zetética – A Terra não é um globo. Sob o pseudônimo “Paralaxe”, o inventor inglês tomou para si uma missão ousada: revelar as “mentiras” cultivadas pela ciência, responsável por esconder o real formato de nossa casa. Rowbotham começa sua obra tentando refutar o próprio Eratóstenes. Segundo ele, o experimento do grego contaria com um erro crasso: considerar o Sol como um astro enorme e distante da Terra.

Rowbotham começa sua obra tentando refutar o próprio Eratóstenes. Segundo ele, o experimento do grego contaria com um erro crasso: considerar o Sol como um astro enorme e distante da Terra. 

Bom, para negar a circunferência da Terra, Rowbotham começou negando Eratóstenes. Criou um modelo teórico em que o Sol não é grande nem está longe – seria uma bola de fogo alguns quilômetros acima das nossas cabeças. Isso permitia, segundo suas contas, que a Terra fosse plana.

Rowbotham não teve tempo de cumprir o legado messiânico que sua última obra criaria, já que morreu três anos depois da publicação de seu livro. Mas a semente estava plantada. Nomes como Wilbur Glenn Voliva, Samuel Shenton e Charles K. Johnson – esses dois últimos, fundadores da Sociedade da Terra Plana (Flat Earth Society) – , deram sequência aos estudos do mestre, espalhando a palavra “ terraplanista” (flat earther) nos Estados Unidos da metade do século 20. Rachas internos deixaram a Sociedade da Terra Plana de molho por umas boas décadas. Em 2009, porém, ela ressurgiu das cinzas e voltou a receber novos membros – e agora faz mais barulho do que nunca.

Parte dessa nova onda terraplanista passa pelo nome de um novo guru, Eric Dubay. Ele é o fundador-presidente da Sociedade Internacional de Pesquisa sobre a Terra Plana e se define como “um americano de 35 anos que vive na Tailândia, onde ensina ioga meio período e divulga a nova ordem mundial em tempo integral”. Entre textões conspiracionistas sobre maçonaria e os Illuminatis, Eric destaca-se pelo trabalho hercúleo de conseguir traduções em 18 idiomas (incluindo árabe, lituano e letoniano) para sua obra 200 Provas de que a Terra não é uma Bola Giratória – transformada, também, em um vídeo de mais de duas horas de duração para seu canal no YouTube.

No Brasil, um dos terraplanistas mais proeminentes é Jota Marthins, dono do Sem Hipocrisia, um canal do YouTube dedicado ao terraplanismo e outras teorias conspiratórias. O objetivo de Marthins é revelar “a farsa da bola molhada giratória”, forma como costuma se referir ao modelo vigente. Até ganhou o apelido de “Rowbotham brasileiro” na bolha dos terraplanistas.

Sua maior obra, no entanto, é outra: o livro O Universo que não te Apresentaram – Expondo a Maior Mentira da Humanidade, publicação independente comercializada a R$ 70. Caro? Para ele, não: “Em um mundo onde pessoas pagam R$ 350 em obras de ficção científica como as de Carl Sagan, fica difícil calcular o valor para um livro que expõe a verdade”, diz.

As “verdades” reivindicadas pelos terraplanistas se resumem a tentativas de refutar conceitos provados e comprovados por mais de 2 mil anos de ciência. Mas isso não é necessariamente um problema. Para tudo que você quiser questionar, sempre haverá resposta. Por exemplo: a gravitação impede que corpos celestes com uma massa razoável, como a Terra, tenham forma de pizza.

Se você pegar uma impressora 3D do tamanho de Júpiter e imprimir uma Terra plana, a gravidade vai puxar as bordas da estrutura para o centro e aglutinar tudo. E em pouco tempo você terá uma Terra redonda, tal qual esta aqui.

Se você pegar uma impressora 3D do tamanho de Júpiter e imprimir uma Terra plana, a gravidade vai puxar as bordas da estrutura para o centro e aglutinar tudo. E em pouco tempo você terá uma Terra redonda, tal qual esta aqui. Se o nosso planeta é plano, então, por que é que ele não colapsa à mercê da gravidade? Fácil. Para os terraplanistas a gravidade não existe. Uma das teorias deles é que a gente só fica preso ao chão porque a Terra acelera espaço adentro, como um elevador gigante, e isso criaria a sensação de gravidade.

Outro enigma da Terra plana é o continente antártico. O Polo Sul do globo, em sua versão amassada, assumiria uma configuração peculiar. Mais do que o controle do nível dos mares, o murão também delimitaria até onde a curiosidade humana tem o direito de se estender. Os segredos que estão fora dessa prisão de segurança máxima ficam a cargo de forças militares internacionais, que estariam resguardando as águas da região, prontos para conter a investida de espertinhos.

Mas o que exatamente impediria alguém com espírito aventureiro de se libertar dessas amarras e ir até lá e revelar para a humanidade esse paredão de gelo? “Esse é um movimento de quem nunca saiu da cadeira, não tirou o pijama”, diz Amyr Klink, velejador brasileiro que viaja para a Antártida todo ano, há pelo menos 30 anos. E que já viu com os próprios olhos que não há paredão algum ali. Do ponto de vista terraplanista, gente como Amyr faz parte da conspiração global que desde a Grécia Antiga tenta esconder o “verdadeiro” formato da Terra do grande público. As centenas de astronautas que já viram a Terra do espaço, então, seriam os maiores mentirosos do Universo.

Desnecessário dizer que não são. Nem que as fotos da Terra tiradas do espaço não são truques de photoshop.

Mesmo assim, vale a pena ver como os terraplanistas veem o Universo, mesmo que só sirva como um exercício de fantasia. Veja no infográfico abaixo – e, mais lá embaixo, veja como a física mais básica tornaria uma Terra plana algo completamente inabitável.

Terra chata

Para os terraplanistas, o Sol e a Lua são bolas do tamanho de cidades, o planeta é cercado por uma muralha de gelo e a gravidade… Bom, a gravidade não existe.

TP: Modelo terraplanista
VR: Vida real

1. ANTÁRTIDA

TP Para quem acredita que a Terra é plana, a Antártida é um paredão de gelo que serve de moldura para a superfície terrestre, segurando a água dos oceanos. Eles dizem que o Tratado da Antártida, de 1959, existe para esconder esse “fato”.
VR Tem quase o dobro da área do Brasil (14 milhões de m²). E o Tratado, assinado por 52 países, estabeleceu-a como território neutro, dedicado à ciência.

2. HORIZONTE

TP Se a Terra é plana, por que a nossa visão não ultrapassa o horizonte? A desculpa aí envolve a neblina e uma suposta limitação da visão humana – o que não faz sentido, já que vemos estrelas a olho nu, e a mais próxima está a 40 trilhões de km (4,3 anos-luz).
VR Alguém com 1,80 m no nível do mar só consegue enxergar a uma distância de 5 km. Dá para comprovar a curvatura da Terra pela sequência de desaparecimento de uma embarcação no horizonte: a parte que some primeiro é a popa, depois a vela.

Continua após a publicidade

3. GRAVIDADE

TP Não existe. Só estaríamos presos ao chão por conta de uma força misteriosa que puxa a Terra para cima a uma aceleração constante de 9,8 m/s² – a mesma da gravidade. Seria como se estivéssemos dentro de um elevador gigante, presos ao chão.
VR Existe, claro. E mais: corpos celestes são redondos justamente por causa da gravidade. A massa gera um campo que suga tudo para o centro, moldando-os como esferas.

4. LUA

TP Tem 51, 5 km e descreve sua órbita a 5 mil km do chão.
VR A Lua é só quatro vezes menor que a Terra (com 3.476 km de diâmetro) e está a 384.400 km de distância.
ECLIPSES LUNARES
TP Uma Terra plana não faria sombra. Como explicar os eclipses lunares, então? Uma hipótese diz que o céu tem um “objeto de sombra”. A Lua se esconderia quando esse objeto cortasse seu caminho.
VR São fruto da sombra da Terra projetada na Lua, claro.

5. SOL

TP Tem 51,5 km de diâmetro e fica a 5 mil km de altitude. Funciona como se fosse uma lanterna: ilumina cada porção do planeta em momentos determinados. Ou seja: quando o Sol brilha sobre sua cabeça, é dia. Quando ele está longe, é noite. Simples assim.
VR O Sol tem 1,3 milhão de km de diâmetro (108 vezes mais do que a Terra), e está 149,6 milhões de km distante.
ESTAÇÕES DO ANO
TP Em diferentes momentos do ano, o Sol terraplanista assume órbitas diferentes – se aproximando ou se afastando de cada trópico. E isso estabelece as estações do ano. O raio da trajetória é maior quando o Sol está no “anel norte” e menor quanto está no “anel sul” (veja lá embaixo).
VR Você sabe: por conta do movimento de translação e do eixo de rotação da Terra (inclinado a 23,5 graus), cada hemisfério recebe mais luz solar em determinados períodos do ano. Quando é inverno na parte do sul, é verão no Hemisfério Norte, e vice-versa.

6. MAGNETISMO

TP Alguns terraplanistas defendem que o centro da Terra plana (o Polo Norte) abriga uma montanha magnética que seria a responsável por atrair as agulhas das bússolas. E mais do que isso: para manter o Sol, a Lua e as estrelas em volta do “disco planetário”.
VR Os polos magnéticos estão próximos aos polos geográficos. No centro da Terra, onde as temperaturas podem chegar a 6.000 ºC, existe ferro e níquel em estado líquido. Esse fluido, em constante movimento, gera as correntes elétricas responsáveis pelo campo magnético.

7. ATMOSFERA

TP Os terraplanistas a chamam de atmosplana ou atmocamada – note que “atmosfera” faz referência a um formato esférico, coisa que eles abominam.
VR A camada de gases que envolve nosso planeta fica presa aqui por conta da gravidade, outro conceito que os terraplanistas não curtem.
DOMO
TP É o que nos isola do resto do Universo (seja lá o que exista além da Terra plana).
VR Não existe.

8. MONTANHAS E VULCÕES

TP Abaixo da crosta, haveria uma pressão agindo na Terra plana, resultado da aceleração que ela sofreria para simular a gravidade. Tal movimento teria criado um vasto oceano de magma no manto terrestre, o que justificaria os vulcões.
VR O interior do planeta é instável. Os vulcões e o movimento das massas continentais são os resultados mais notórios desse fato.

A. ATLAS
O mapa-múndi terraplanista usa a projeção azimutal, igual à do símbolo da ONU

B. ESTRELAS
TP Estrelas seriam basicamente lâmpadas de LED: fontes luminosas a poucos milhares de km da Terra.

C. EQUADOR
TP Esta região seria mais quente que a dos polos por estar diretamente abaixo do mini-Sol.

***

Terra ainda mais chata

A vida numa Terra plana, de acordo com a física newtoniana, seria um perrengue.

Este mundo, e todos os outros, são redondos porque a gravidade os fez assim. Mas como seria se a Terra fosse plana e também obedecesse às leis de Isaac Newton? Veja.

1. O formato de disco faria a gravidade atuar de maneira não uniforme. Em uma Terra plana, quanto mais você andasse em direção às bordas, mais a gravidade puxaria você de volta ao centro.

2. Caminhar até as bordas, então, seria como escalar uma montanha que vai ficando mais íngreme.

3. Os prédios teriam de ser cada vez mais inclinados para ir compensando essa influência. Perto da borda, você teria de se segurar para não entrar em queda livre.

4. Ufa. Se você atravessasse a borda, seus problemas acabariam. Na “lateral” da Terra plana, o puxão gravitacional voltaria a ser o de sempre: no sentido do solo.

Continua após a publicidade
Publicidade