Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Abelhas entendem o conceito de “zero”

Em um experimento engenhoso, cientistas provam que a abelha considerara o zero como um número menor que um – e não só como um lugar vazio no espaço

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
17 ago 2017, 13h39

Abelhas são capazes de entender o número zero – e essa é uma descoberta mais importante do que parece.

Afinal, o zero é a representação numérica do nada. É fácil entender que duas maçãs são uma quantidade maior que uma maçã. Mas não é tão fácil assim entender que um ponto vazio no espaço é uma quantidade menor que uma maçã só. Tirar essa conclusão exige um grau de abstração que só havia sido verificado antes em um número limitado de animais – como alguns pássaros, macacos e humanos, todos com cérebros bem maiores que o de um inseto.

Os testes foram feitos pela equipe da cientista Scarlett Howard, da Universidade RMIT, na Austrália, e seguem o mesmo princípio do exemplo da maçã acima.

Na primeira etapa, um grupo de abelhas pode escolher entre duas plataformas com alimento. Uma continha um líquido açucarado. A outra, um líquido amargo preparado com quinino – a substância que dá gosto à água tônica, que é odiada pelas abelhas.

Continua após a publicidade

Essas plataformas eram identificadas por símbolos. As que forneciam a bebida amarga possuíam mais símbolos (4 no máximo, já que as abelhas conseguem contar só até aí), com a intenção de associar a experiência ruim a quantidades maiores. As que forneciam a bebida doce, por sua vez, possuíam menos símbolos (1 só) – forçando as abelhas a associarem quantidades menores a uma refeição mais gostosa.

Aconteceu o óbvio: depois de um tempo de treinamento, em 80% dos casos elas passaram a ir direto para as plataformas docinhas, com um símbolo só.

Feito o condicionamento, elas foram expostas a uma situação parecida, com a diferença de que não havia comida disponível. Pela primeira vez desde o início do estudo, algumas plataformas não tinham símbolo nenhum – outras mantiveram os dois ou três habituais. Foi tiro e queda: traumatizados com a comida ruim, os insetos optaram por pousar na superfície que tinha zero símbolos na grande maioria das vezes. Isso significa que a ausência foi interpretada como um número menor do que 2 ou 3, e não como um simples vazio.

Para confirmar que o zero é mesmo interpretado como um ponto a parte na reta numérica, os cientistas fizeram um teste um pouco diferente: deram a elas a oportunidade de pousar em um conjunto de plataformas que continham algo entre zero e seis símbolos. Elas negaram prontamente a que tinha seis, mas ficaram em dúvida entre a um e a zero – sinal de que ambos são encarados como números próximos um do outro no cérebro dos bichinhos.

Essa é só mais uma da já longa lista de habilidades especiais das abelhas, que inclui usar ferramentas e demonstrar emoções. Ninguém sabe exatamente porque elas desenvolveram comportamentos análogos aos de animais mais complexos, mas é provável que isso tenha relação com a vida em comunidade que levam na colmeia – onde comunicação é uma habilidade essencial. A pesquisa foi apresentada em um congresso em Estoril, Portugal.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.