Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Agricultura em alta escala

A comida do futuro virá de fazendas verticais no centro das cidades

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h45 - Publicado em 30 jun 2006, 22h00

Roberta Faria

Batata: 8º andar. Morango: 10º andar, sala 103. Se as idéias de um grupo de especialistas em meio ambiente da Universidade de Columbia vingarem, vai ser assim que frutas e verduras serão organizadas daqui a 50 anos. A idéia é levar a agricultura a arranha-céus. Nada de vasinhos no terraço. O que eles querem é construir fazendas verticais: prédios inteiramente voltados a plantações e à criação de animais, que tornem possível cidades como Nova York ou Tóquio produzirem seus próprios alimentos. “Em 50 anos, o mundo terá que abrigar mais 3 bilhões de pessoas”, diz Dickson Despommier, o coordenador do grupo. “Para alimentar todos, seria necessário mais um espaço produtivo do tamanho do Brasil, que simplesmente não existe”.

No projeto, cada fazenda tem 30 andares, com criação de galinhas, peixes e porcos. Os vegetais são hidropônicos (cultivados em uma solução de nutrientes no lugar do solo). Essa técnica diminuiria o problema da falta de espaço – pés de morango hidropônico, por exemplo, produzem 30 vezes mais que a céu aberto. Além de prover 10 mil moradores da cidade com alimentos orgânicos, o prédio-fazenda produziria energia eólica e reciclaria água e lixo. Tem mais: a safra seria controlada, livre da ação da seca e do mau tempo. E você faria a feira no prédio do quarteirão ao lado, sem pagar custos de transporte e intermediários.

Apesar de o Brasil ter grandes áreas não cultivadas, a idéia parece viável para o engenheiro agrônomo Quirino Carmello, da Escola de Agricultura da USP. “A produção de hidropônicos ajudará a solucionar a crecente falta de capacidade de cultivo do solo”, diz ele. “O investimento em estrutura e tecnologia será compensado pelo aumento de preços dos alimentos, que estarão mais escassos”. Na verdade, a agricultura dentro de casa já é usada em cultivos não tradicionais. Em 2005, a polícia americana prendeu no Tennessee um homem que mantinha uma sala subterrânea com 850 pés de maconha. Por meio de um sistema artificial de iluminação, ventilação e irrigação, ele produzia 22 quilos da droga por mês. Imagine uma produção dessas em escala industrial.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)