Clique e assine a partir de 8,90/mês

Água viva

Com isso, descentraliza-se o projeto. E descentralização, nesse caso, rima com multiplicação: quanto mais barraginhas, mais água ¿ e menos sede.

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2016, 18h47 - Publicado em 30 nov 2003, 22h00

Lauro Henrique Jr.

O grande vencedor do Prêmio Super Ecologia de 2003, o projeto Barraginhas, que prevê a construção de miniaçudes para coletar a água das chuvas nas regiões mais secas, continua com sua fonte jorrando. Há dois meses, ganhou o apoio da Case New Holland Brasil, uma empresa do grupo Fiat. Em parceria com o programa Fome Zero, do governo federal, a empresa vai investir cerca de 400 mil reais no projeto. Com o patrocínio, além de se beneficiar com a construção de 500 novas barraginhas, a cidade mineira de Minas Novas, um dos berços da idéia, vai se tornar uma espécie de vitrine para outros municípios, com a realização de seminários, treinamentos e visitas às barragens.

Com isso, descentraliza-se o projeto. E descentralização, nesse caso, rima com multiplicação: quanto mais barraginhas, mais água – e menos sede. As boas novas não param por aí. Há a perspectiva de que novas parcerias se consolidem. “Várias ONGs e universidades estão nos procurando, interessadas em adotar as barraginhas”, diz o engenheiro agrônomo Luciano Cordoval de Barros, responsável pela implantação do programa. “Sinto que cresceu nossa responsabilidade e confiança, pois vimos o quanto o projeto tem sido bem recebido por todos, criando ramificações mais sólidas.” O meio ambiente agradece.

Publicidade