Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Assim será a morte do Sol: seu cadáver brilhará por 10 mil anos

Daqui 5 bilhões de anos, quando a nossa estrela morrer, seu núcleo produzirá energia suficiente para iluminar a explosão. O resultado será uma nebulosa colorida como a da foto, visível de outras galáxias

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 Maio 2018, 16h35 - Publicado em 8 Maio 2018, 17h29

O Sol começou a carreira como uma bola de 1.988.000.000.000.000.000.000.000.000.000 quilos de hidrogênio – que, por sua vez, é um sério candidato a elemento mais sem graça da tabela periódica. Em temperatura ambiente, o átomo com um próton e um elétron é um gás sem cheiro nem cor, que circula pelo seu corpo sem fazer cócegas. Quando esse tanto de hidrogênio é um concentrado em um lugar só, porém, o resultado não é nada monótono.

Primeiro, graças à gravidade, o gás começa a cair sobre si próprio. Você está acostumado a pensar na gravidade como algo que te mantém colado na superfície da Terra, mas isso só acontece porque o nosso planeta tem uma superfície para interromper a queda das coisas. Quando o hidrogênio cai no espaço aberto, por outro lado, ele só encontra mais hidrogênio. E essa nuvem vai ficando concentrada. Cada vez mais concentrada.

Logo, o calor e a pressão transformam o núcleo em uma usina de fusão de hidrogênio: os átomos se unem para formar hélio, um elemento só um pouquinho mais pesado. Esse processo libera uma quantidade mastodôntica de energia, que é irradiada e compensa a atração da gravidade. A estrela recém-nascida se torna uma corda bamba cósmica, que só não desaba sobre si própria por que passa o tempo todo queimando a 15 milhões de graus Celsius.

E assim o Sol vem sobrevivendo há 4,6 bilhões de anos. Estável, pero no mucho. Pela frente, há a mais ou menos a mesma quantidade de tempo – ele está bem no meio de sua vida útil. É daqui a 5 bilhões de anos, quando praticamente todo o hidrogênio do núcleo tiver sido queimado, que a diversão começa.

Continua após a publicidade

Na falta de combustível no miolo, o Sol começará a usar o gás disponível em outras camadas, mais próximas da superfície. Aí ele incha. E incha. Incha até engolir Mercúrio, e depois Vênus. Se torna uma monstruosidade chamada “gigante vermelha”. Adeus, Terra. Vamos virar churrasco. Ainda bem que ninguém vai viver pra ver o apocalipse: nessa altura do campeonato, é muito provável que o ser humano já esteja extinto.

Quando essa bexiga incandescente chega ao limite, ela estoura. Mais ou menos metade da massa da estrela é ejetada violentamente em uma nuvem colorida chamada nebulosa planetária (como a que você vê na foto que abre a matéria). Por “ejetada violentamente”, entenda gás e poeira sendo arremessados a 20 quilômetros por segundo. O que sobra, no meio, é o núcleo morto, mas ainda brilhante, chamado anã-branca.

Continua após a publicidade

Todo astrônomo concorda com as previsões acima. Mas, a partir desse ponto, começava uma polêmica: será que o núcleo moribundo vai liberar energia rápido o suficiente para iluminar a nuvem – gerando uma paisagem digna das fotos psicodélicas que tornaram o telescópio Hubble famoso? Ou será que o Sol vai expulsar sua matéria discretamente?

Quem bateu o martelo na questão foi um grupo formado por astrônomos poloneses e argentinos. Usando simulações de computador, eles descobriram que o Sol está bem no limite mínimo de tamanho necessário para morrer da forma fotogênica – seu anel de gás e poeira brilhará intensamente por 10 mil anos, o que não é nada na escala de tempo do Universo, mas vale uma menção honrosa. Uma estrela só um pouquinho menor de que ele não teria o mesmo destino glorioso. Os resultados foram publicados na Nature.

Nebulosas planetárias são muito, muito mais brilhantes que as estrelas que lhes deram origem, o que significa que a explosão do Sol pode colocá-lo no mapa de astrônomos de outras civilizações. Vista de longe, a morte da nossa estrela será apenas um pontinho que subitamente brilhará no céu de outros cantos da Via Láctea – e que provavelmente renderá um ou dois artigos nas revistas de ciência dos alienígenas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.