Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Brasil tem mais de 150 terremotos por ano

Nosso berço não é tão esplêndido assim: o Brasil tem pelo menos um terremoto robusto a cada 5 anos.

Por Alexandre Versignassi Atualizado em 2 abr 2018, 17h19 - Publicado em 4 jan 2017, 19h07

São Paulo, Brasília e outras localidades brasileiras (em Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) tomaram um susto na manhã de 2 de abril de 2018. Um terremoto de magnitude 6,8 na escala Richter, com epicentro no sul da Bolívia, reverberou por aqui e fez com que habitantes de 13 cidades sentissem a terra tremer e, em alguns casos, até evacuassem edifícios.

Graças às placas tectônicas, porém, terremoto não é o nosso forte. As placas que servem de berço para o Brasil e para o resto das Américas se movem para o oeste a uma taxa de até 10 cm por ano. Elas seguem em direção à placa vizinha, que jaz nos subterrâneos do Oceano Pacífico. Essa placa vizinha não foge, claro: acaba sugada para os porões das placas americanas.

O material tragado nesse processo subterrâneo acaba chegando à superfície, e acumulando-se. Na parte do sul do continente, chamamos esse material de Cordilheira dos Andes. Na parte norte, de Montanhas Rochosas. A formação dessas cadeias de montanhas não é suave, naturalmente. Estamos falando em trilhões de toneladas de crosta terrestre se movimentando. Devagar, mas sempre. E é isso que causa os grandes terremotos. Como o Brasil está longe desse nascedouro de montanha, estamos bem – enquanto Chile e Califórnia estão mal.

Mas ninguém no mundo fica completamente livre de terremotos. O movimento das placas é violento a ponto de criar tremores em lugares insuspeitos de vez em quando. Foi o que aconteceu em janeiro de 2017 no Maranhão. O terremoto, de 4,6 graus na escala Richter (capaz de quebrar vidro) não foi tão incomum. Segundo o Centro de Sismologia da USP, terremotos dessa magnitude para cima acontecem uma vez a cada 5 anos – em geral, perto da fronteira com o andino e tremeliquento Peru, mas não há área completamente livre de tremores no país. Já os terremotos menores, basicamente imperceptíveis, não param nunca. Só em 2017, juntando todos os tipos de chacoalho, foram 153 terremotos – e não, nesse quesito 2017 não foi um ano atípico.

Para saber se o chão debaixo dos seus pés tremeu nos últimos tempos, veja aqui no site do Centro de Sismologia da USP. Eles monitoram todos os terremotos do planeta em tempo real, e mantêm o registro de todos. Para ver só os terremotos brasileiros, clique na aba “Ativar Filtros”. Aproveite.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)