Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cachorros conseguem detectar calor usando o nariz

Áreas do cérebro de cães ficam mais agitadas quando algo mais quente que os arredores se aproxima. Foi o que mostrou um estudo europeu.

Por SUPER
Atualizado em 20 mar 2020, 19h19 - Publicado em 20 mar 2020, 13h41

O focinho canino é um termômetro potente. É como se a ponta do nariz deles tivesse uma espécie de sensor infravermelho, que permite aos bichos flagrar variações mínimas de calor. Isso vale para objetos que são mais quentes que a temperatura ambiente – como um outro cão ou o dono, por exemplo.

Usando ressonância magnética, pesquisadores da Suécia e da Hungria mostraram que áreas do cérebro de cães ficam mais agitadas quando algo que se aproxima é mais quente que os arredores. A mesma atividade não existe para objetos inanimados – que não emanam calor.

O estudo foi publicado na revista Scientific Reports.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.