Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Cientistas conseguem apagar memórias ruins em ratos

Eles descobriram que, manipulando um neurotransmissor, conseguem deletar traumas e até reforçar memórias boas

Por Ana Carolina Leonardi
Atualizado em 31 out 2016, 19h03 - Publicado em 5 Maio 2016, 19h15

Apagar um trauma pode se tornar possível em breve. Pesquisadores da Universidade Stony Brook, em Nova Iorque, conseguiram manipular com sucesso a memória em testes com ratinhos, controlando a liberação de acetilcolina, um neurotransmissor que participa dos processos de fixação da memória e de aprendizagem.

No experimento, os ratos tomavam pequenos choques, que levavam o cérebro a criar uma memória negativa (e também os deixava bem assustados). Depois, os cientistas reduziram a quantidade de acetilcolina que era produzida no cérebro a níveis bem mais baixos do que o normal.

Os pesquisadores notaram que, conforme reduziam a presença do neurotransmissor, a memória dos ratos era deletada e eles não demonstravam mais medo algum. O método dos cientistas usa mapeamentos do cérebro realizados pelo MIT para conseguir mirar em uma memória específica a ser apagada.

LEIA: A pílula do esquecimento

Mas a descoberta deles não se limita a deletar memórias. Ao invés de reduzir a produção de acetilcolina, eles fizeram o teste de aumentar a quantidade do neurotransmissor – e com isso, prolongaram a memória de curta duração dos ratinhos que, em geral, só lembram de eventos corriqueiros por no máximo 2 horas.

Continua após a publicidade

Os cientistas esperam fazer testes em humanos daqui a alguns anos e imaginam que a descoberta possa ter uma função dupla para promover a saúde mental. Com o mecanismo do esquecimento, eles esperam melhorar quadros de transtorno de estresse pós-traumático, em que os pacientes revivem memórias perturbadores.

Com o efeito oposto, os pesquisadores querem ajudar pacientes com Alzheimer e outras formas de demência que prejudicam a memória. Quem sofre com essas doenças tem dificuldades de lembrar fatos do dia a dia e, se a manipulação de acetilcolina continuar a se mostrar promissora, o transmissor pode driblar o problema e levar o cérebro a guardar essas informações por mais tempo.

LEIA TAMBÉM:
– Memória humana é duas vezes mais rápida que um piscar de olhos
– O homem que se lembra de tudo
– 8 técnicas matadoras para memorizar qualquer coisa

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.