Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Cientistas cultivam plantas em amostras de solo lunar

Vegetais crescem em solo de fora da Terra pela primeira vez; espécie usada na experiência foi a Arabidopsis thaliana, da família do repolho

Por Leo Caparroz Atualizado em 16 Maio 2022, 19h35 - Publicado em 16 Maio 2022, 19h30

Pesquisadores da Universidade da Flórida conseguiram fazer plantas crescerem em amostras de solo lunar. O experimento, realizado ao longo de 18 meses, utilizou amostras coletadas pelas missões Apollo 11, 12 e 17 e uma planta chamada Arabidopsis thaliana, da família do repolho, da mostarda e do nabo.

Astronautas já haviam cultivado plantas a bordo da Estação Espacial Internacional, mas usando amostras de solo levado da Terra. A nova proposta buscava descobrir se plantas eram capazes de crescer em solo extraterrestre.

O estudo, publicado na Communications Biology, revela detalhes do crescimento e desenvolvimento das mudas, que eram regadas e fertilizadas diariamente. “Depois de dois dias, elas começaram a brotar!”, afirmou Anna-Lisa Paul, primeira autora do estudo. “Todas elas brotaram. Não consigo explicar o quão impressionados nós ficamos. Todas as plantas – das amostras lunares e de controle – pareciam idênticas até o dia seis.”

A partir do sexto dia as diferenças começaram a se tornar evidentes. As plantas do solo lunar não eram tão robustas quanto as outras. Elas cresciam mais devagar, tinham folhas menores, raízes atrofiadas e manchas vermelhas, um sinal típico de stress.

No vigésimo dia, os cientistas conduziram outra análise. Dessa vez, eles acessaram o RNA das plantas. Com isso, descobriram que a expressão genética observada era similar àquela vista em solos com muitos sais ou metais pesados.

O solo lunar é bem diferente do terrestre. Ele é rico em sílica, cal, óxidos de alumínio, ferro, magnésio e sódio entre outros. Também não contém elementos orgânicos e é alvo direto da radiação solar. “É impressionante que elas ainda cresçam nesse ambiente hostil,” disse Stephen Elardo, coautor do estudo. “Ficam estressadas, mas não morrem”.

Os pesquisadores estão empolgados em dar continuidade ao estudo. Segundo eles, o próximo passo seria descobrir formas de permitir o crescimento das plantas em solo lunar sem prejuízo à saúde delas. Com a missão Artemis se aproximando, é importante pensar em novos meios de usar recursos encontrados na própria Lua. Pesquisas como essa são cruciais para preparar o terreno para futuras explorações espaciais.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)