GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Cientistas mapeiam a Grande Adria, continente perdido há 120 milhões de anos

Esqueça Atlântida. O verdadeiro continente perdido se chama Grande Adria — e ele está bem debaixo da Europa

Há 240 milhões de anos, a Terra era bem diferente do que conhecemos hoje. Os continentes estavam bem mais juntinhos e existiam até pedaços de terra que não estão mais lá. Esse é o caso da Grande Adria, um continente que desapareceu há 120 milhões de anos. Geólogos reconstruíram a história geológica da Terra e encontraram traços do continente perdido.

A pesquisa foi publicada no periódico Gondwana Research. O nome bizarro não é à toa — na verdade, a Grande Adria não surgiu sozinha, ela fazia parte de um supercontinente chamado Gondwana (não confundir com Wakanda, o local fictício do filme Pantera Negra). Esse continente gigante reunia as terras que hoje compõem o hemisfério sul: Antártida, Oceania, África e América do Sul.

Há aproximadamente 240 milhões de anos, um pedaço de terra do tamanho da Groenlândia se desprendeu de Gondwana e se deslocou para o sul da Europa. Isso é o que os cientistas chamaram de Grande Adria. Ela estava localizada em uma área que hoje vai dos Alpes até o Irã. 

Esse vai e vem é resultado da movimentação das placas tectônicas. A Grande Adria fazia parte da placa africana e foi aos poucos se aproximando do sul da placa euroasiática, que abriga a maior parte da Europa e Ásia atualmente.

Mesmo com seu tamanho enorme, a Grande Adria não era composta só de terra firme. A maior parte do continente estava submerso, formando apenas pequenas ilhas na superfície. Segundo Douwe van Hinsbergen, líder do estudo, a região seria perfeita para mergulhos cênicos.

No mapa, a cor clara mostra as áreas submersas, enquanto o tom escuro representa as áreas acima do nível do mar.

 (van Hinsbergen/Montagem sobre reprodução)

Mas onde a Grande Adria está agora? No sul da Europa. Afinal de contas, nenhum continente simplesmente evapora. Há cerca de 120 milhões de anos ela colidiu e foi “engolida” pela placa euroasiática, deslizando para debaixo da Europa. Os cientistas estimam que a massa continental tenha sido sugada de 3 a 4 centímetros por ano. 

Mas você não precisa voltar no tempo para conhecer o continente perdido. Quando a placa foi engolida, algumas rochas mais leves não afundaram junto com o continente. Elas acabaram sendo “raspadas”, se soltaram e estão na superfície até hoje.

Os pesquisadores encontraram rochas provenientes da Grande Adria em mais de 30 países. A cordilheira dos Apeninos, na Itália, guarda resquícios do antigo continente. Foram mais de 10 anos de pesquisa e análise para descobrir informações essenciais sobre as pedras, como sua idade, localização e composição. 

Para reconstruir esse quebra-cabeça, os geólogos inseriram as informações em um software que ajuda a visualizar a movimentação das placas tectônicas. A parte mais difícil foi juntar as pesquisas de diferentes países para recompor a história geológica do Mediterrâneo.

Essa não é a única evidência da existência da Grande Adria. Em 2016, outros pesquisadores usaram ondas sísmicas para criar um “atlas do submundo”, que mapeou as estruturas no manto do planeta. Esse estudo mostrou que ainda existem porções da Grande Adria 1,5 mil quilômetros abaixo da Europa.