Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Cientistas transformam babosa em um supercapacitor

A plantinha que você usa para enfeitar seu quarto pode ser usada para armazenar energia, como uma bateria natural – depois de uns implantes, claro.

Por Leo Caparroz
Atualizado em 3 jan 2024, 18h19 - Publicado em 3 jan 2024, 18h15

Também conhecida como Aloe vera, a babosa é uma planta usada para diversos fins medicinais e cosméticos. Ela é parte de cremes hidratantes, loções para pele, produtos para cabelo e pomadas para queimaduras. Além de ser uma boa decoração interior como planta de vaso.

Mas uma utilidade menos usual da babosa é como supercapacitor, um dispositivo que armazena energia como uma bateria, mas faz a troca de energia mais rapidamente. 

Um grupo de pesquisadores chineses construiu um aparelho desse tipo usando apenas partes da babosa – o único material adicional foi um fio de ouro. O supercapacitor também pode ser instalado dentro de uma planta viva, para alimentar luzes ou carregar pequenos dispositivos. A pesquisa foi publicada no periódico Small.

Baterias vs. Supercapacitores

 

Uma bateria possui três componentes importantes: dois terminais elétricos, um positivo e o outro negativo, chamados de eletrodos, que podem ser feitos de diferentes metais; e o eletrólito, um meio químico entre os dois.

Continua após a publicidade

Quando um dispositivo é conectado, as reações na bateria transformam essa energia química em energia elétrica. Mais especificamente, o eletrodo negativo vai transferir elétrons para o lado positivo, e esse fluxo gera uma corrente elétrica. É assim que a bateria de íons de lítio do seu celular funciona, por exemplo.

Já os capacitores são diferentes. Eles são formados por dois eletrodos em formato de placas, que são imersas também em um eletrólito, mas separadas por uma membrana. Quando uma tensão é aplicada ao capacitor, os íons positivos do eletrólito se acumulam na placa negativa, enquanto a placa positiva acumula os íons negativos – os opostos se atraem.

A membrana entre as placas impede que esses íons carregados completem a viagem. Essa separação de cargas cria um campo elétrico entre as placas, o que carrega o capacitor. As duas placas podem manter essa energia por bastante tempo, e liberá-la muito rapidamente quando necessário. Supercapacitores são capacitores que podem armazenar cargas muito grandes.

Babosa eletrônica

Para fazer os eletrodos, os cientistas esquentaram a casca da babosa, a parte externa da folha, a altas temperaturas. A partir do carvão ativado que restou, eles fizeram as placas. A gosma viscosa do interior da planta foi congelada para fazer um aerogel, que atuou como eletrólito condutor de energia.

Continua após a publicidade

O pequeno supercapacitor, com 4 milímetros de diâmetro, foi instalado dentro de plantas vivas – a própria babosa, cactos bola de ouro (Echinocactus grusonii) e suculentas (Pachyphytum oviferum). Os pesquisadores então usaram painéis solares para carregar os capacitores das plantas ou, segundo seu artigo, as e-plantas.

Ilustração esquemática do processo de armazenamento de energia de plantas suculentas
Os pesquisadores implementaram o supercapacitor dentro de plantas vivas. Depois de carregadas por energia solar, elas podiam fornecer energia elétrica para luzes e pequenos eletrônicos. (Wiley-VCH GmbH 2023 / Biblioteca Online Wiley/Reprodução)

Com a energia acumulada, as “plantas eletrônicas” conseguiram servir como fonte de energia para pequenas lâmpadas e relógios digitais. Por ora, sua capacidade de armazenamento limitada é suficiente apenas para isso, dispositivos de baixo consumo de energia.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.