Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Coisinha tão bonitinha do pai

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 18h52 - Publicado em 31 out 2000, 22h00

Cláudia Baima

A ciência acaba de provar que os mamíferos machos acham mesmo que tamanho é documento. Pesquisadores mostram que machos e fêmeas vivem em guerra para definir o tamanho da cria. Enquanto o DNA dos pais batalha por um bebezão, o das mães, que não é bobo, luta para que o filho tenha tamanho normal. Fetos grandes podem matá-las, sugar suas reservas de nutrientes e deixá-las inaptas para outra gravidez. É assim que entram em cena os genes imprinted, ou seja, carimbados quimicamente para identificar se o filho os recebeu do pai ou da mãe. Já desconfiados de que esses estrategistas genéticos estavam por trás de tudo, os cientistas desvendaram agora a esperta estratégia dos genes paternos. Eles agem em uma região da placenta que tem nome de discoteca paulistana – o trofoblasto labiríntico –, onde o sangue da mãe se mistura ao do feto para levar nutrientes. Aí, o DNA carimbado do pai procura aumentar a ração diária do filho. “Genes paternos são vorazes”, disse Wolf Reik, biólogo molecular da Babraham Institute, na Inglaterra, à revista americana Scientific American. Nessa guerra no útero não há vencedores. O avanço de um e o contra-ataque do outro, mesmo conflitantes, sempre buscam melhorar a saúde geral dos humanos.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.