Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Daria para produzir uma geladeira feita de elástico? Esse estudo diz que sim

A pesquisa se baseia nas pequenas variações de temperatura que ocorrem ao esticar, torcer e soltar o elástico.

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 16 out 2019, 18h39 - Publicado em 16 out 2019, 18h28

Na tentativa de desenvolver novas tecnologias sustentáveis, estudantes da Universidade de Nankai, na China, publicaram um estudo em que propõem um sistema de refrigeração usando materiais elásticos. Parece estranho, mas a ideia não é tão absurda assim.

Experimente pegar um elástico (desses de escritório mesmo) e esticá-lo ao máximo. Ao encostar no elástico, dá para perceber que ele esquentou um pouquinho. Depois de um tempo esticado, ele atinge uma temperatura de equilíbrio — e aí quando é solto volta a esfriar. É com base nessa propriedade que os pesquisadores pensaram na capacidade “resfriadora” dos elásticos.

Essa é a mesma lógica que as geladeiras e aparelhos de ar condicionado já usam — a diferença é o material. Os eletrodomésticos atuais expandem e comprimem diferentes fluidos para conseguir o mesmo efeito de refrigeração. Os clorofluorcarbonetos (CFC’s) são os mais famosos — mas também são responsáveis por danificar a camada de ozônio. Por isso, seu uso foi proibido na maioria dos países (hoje as geladeiras usam o R134A, um gás que não agride o ozônio).

Os pesquisadores compararam o efeito de resfriamento de quatro materiais elásticos diferentes: borracha, nylon e polietileno (usados em linha de pesca) e nitinol. Todas elas foram esticadas em três centímetros e contorcidas ao máximo. Nesse processo, sua temperatura aumentou até 15 graus celsius — ao voltar ao normal, eles esfriaram até 15 graus.

Depois, os cientistas repetiram o mesmo experimento dentro de uma bacia para estudar a troca de calor entre o material e a água. Os pesquisadores também criaram uma “mini geladeira” com fios de nitinol para demonstrar os efeitos do material. Ela foi capaz de resfriar uma pequena quantidade de água em oito graus celsius depois de alguns segundos.

O protótipo é menor bem menor que um frigobar — na verdade, ele é menor que uma caneta esferográfica. Agora, a equipe pretende trabalhar em um sistema cíclico que resfria a água continuamente. Mas ainda vai demorar um bom tempo até que esse método consiga gelar bebidas na sua casa.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)