GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Desvendando os mutantes

Desvendamos o poder X

Denis Russo Burgierman

Desde 1963, um bando de homens e mulheres protege a Terra contra as mais terríveis ameaças. Todos eles têm uma coisa em comum: um pedacinho de seu DNA é ligeiramente diferente daquele que possui o resto da humanidade. Essa microscópica diferença, que os cientistas chamam de mutação, poderia ter causado neles alguma doença rara e incurável. Mas, por sorte, e também porque Stan Lee, o lendário criador da Marvel Comics, assim o quis, o desvio genético foi benéfico. Deu a eles poderes incríveis, como a habilidade de levitar, de ler os pensamentos e de atrair metais.

Os mutantes, que atendem pelo nome de X-Men, obviamente não existem no mundo real. Compõem um dos mais notáveis grupos de personagens de histórias em quadrinhos e estréiam este mês nos cinemas com um filme que tem tudo para ser uma das maiores bilheterias do ano. A SUPER conversou com cientistas para explicar o que há de ciência nos superpoderes deles. Nas próximas páginas, você vai conhecer cinco dos X-Men e entender o que há por trás dos raios de força, da telecinese e do esqueleto de adamantium.

Para saber mais

Na livraria: The Science of the X-Men, Link Yaco, Ibooks, 2000.

No cinema: X-Men, dirigido por Bryan Singer. Estréia dia 11 de agosto.

Nas bancas: X-Men: O Filme, Quatro especiais da Editora Abril.

Na TV: Globo – de segunda a sexta às 9h50.

Fox Kids – de segunda a sexta às 11h30 e às 23h30.

Na Internet:

http://www.x-men-the-movie.com

http://www.x-men.com

drusso@abril.com.br

Cabeça do tamanho de uma casa

Os raios de força do Ciclope destroem pedras, furam metais e alcançam distâncias de mais de 500 metros. O físico Carlos Henrique Brito Cruz, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), acha que algo tão poderoso só pode ser um raio laser. “O problema é que produzir um laser forte como esse exigiria uma máquina enorme, com mais de 10 metros de comprimento”, afirma. Quer dizer, a cabeça do mutante teria que ter o tamanho de uma casa. Brito Cruz também não encontra explicação para os óculos de quartzo rubi que o herói usa quando quer parar de emitir seu superpoder. “Se a lente absorvesse tanta energia, acabaria explodindo”, diz. “Se, por outro lado, ela refletisse o raio, o que explodiria seria o cérebro do Ciclope.”

Herói teria que comer sem parar

Enfrentar Wolverine é uma tarefa inglória mesmo para os mais terríveis vilões. Ainda que o bandido lhe fatie a carne, o herói não morre. O ferimento mortal fecha em segundos, sem deixar cicatriz. Conversamos com a dermatologista Ana Carolina Junqueira Ferolla, do Hospital das Clínicas de São Paulo, que, naturalmente, duvidou que um ser humano, sob qualquer circunstância, possa se recuperar tão rápido. “A cicatrização leva em média catorze dias.”

É que o processo ocorre em etapas. Primeiro, as células têm que se organizar e começar a se multiplicar. Depois, os vasos precisam se espalhar pelo local do ferimento para alimentar o tecido novo com sangue. Não dá para acontecer tudo ao mesmo tempo. Uma cicatrização rápida demais deixaria marcas horríveis.

A única explicação para Wolverine é que tudo no corpo do mutante funciona muito mais rápido. Talvez sua corrente sangüínea tenha uma velocidade alucinante e suas células produzam energia sem parar para manter o supercorpo trabalhando. Para isso acontecer, no entanto, Wolverine precisaria respirar bem mais rápido que os outros seres humanos e gastaria boa parte de seu tempo comendo. Afinal, sem alimento e oxigênio, não há energia para o corpo trabalhar.

A cicatrização ultra-rápida explicaria também como foi possível seu esqueleto ter sido revestido de adamantium, um metal duríssimo. Uma cirurgia desse tipo mataria qualquer humano normal, porque é impossível separar os músculos dos ossos sem provocar dores horríveis. O adamantium, descrito na história como o material mais duro da Terra, não existe no mundo real. “Nada impede, entretanto, que alguém possa descobrir algo assim um dia”, diz o químico Atílio Vanin, da Universidade de São Paulo (USP). O material mais duro do mundo é o diamante, capaz de riscar ou cortar qualquer outra coisa. Para produzir um metal que corte diamante, seria preciso encontrar uma estrutura molecular na qual os átomos estivessem ainda mais encaixados uns nos outros. É difícil, mas não impossível.

O mais fedido dos mutantes

Você já deve ter ouvido falar em Uri Geller, aquele israelense que costumava entortar colheres só de olhar para elas. Ou nas teorias de que nosso cérebro funciona como um rádio, emitindo e recebendo ondas que permitiriam a comunicação telepática. A verdade é que ninguém jamais conseguiu indícios de que realmente existem poderes mentais. “Sinto desapontá-los, mas, exceto por algumas pesquisas suspeitas da antiga União Soviética, ninguém documentou poderes extra-sensoriais”, diz o escritor americano Link Yaco, que vai lançar este mês nos Estados Unidos um livro sobre a ciência dos X-Men.

O cérebro realmente emite ondas muito fracas quando funciona, mas o que se sabe hoje é que o pensamento é processado principalmente por substâncias químicas – os neurotransmissores. Há alguns animais, como as formigas, que se entendem sem sons. Elas não usam ondas, mas cheiros, que transportam informações químicas. Ou seja: por enquanto, a única explicação para o Professor X é que ele teria um nariz superapurado e se comunicaria liberando odores fortíssimos capazes de viajar 400 quilômetros. Ô catinga!

Vilão viraria ímã de geladeira

Ímãs comuns não podem ser desligados. Como o vilão usa o poder quando quer, a conclusão é que ele funciona como um eletroímã. “Magneto teria que fazer com que imensas cargas elétricas circulassem por seu corpo”, diz o físico Cláudio Furukawa, da USP. “Eletricidade em movimento gera magnetismo.” As cargas precisariam ser muito grandes, talvez o suficiente para iluminar uma pequena cidade. Difícil é entender de onde ele tiraria tanta eletricidade. Talvez Magneto fosse capaz de quebrar núcleos de seus próprios átomos, provocando um pequena explosão nuclear interna. Daí surgiria um novo problema: como conter a radiação? O corpo do vilão teria que ser revestido de chumbo.

É bom lembrar que um ímã puxa objetos de ferro, mas o ferro também puxa o ímã. Se um sujeito de cento e poucos quilos, como o Magneto, atrair um navio com milhares de toneladas, ele é que vai sair voando e acabará grudado no barco como um ímã de geladeira. Triste destino para um bandido tão terrível.

Heroína é um balão de gás

O químico Atílio Vanin tem uma teoria sobre a levitação de Tempestade. “Pode ser que ela quebre as moléculas de água do corpo”, diz. Dessa reação sobrariam oxigênio e hidrogênio, gases bem leves. Como mais de metade do organismo é pura água, há moléculas de sobra para a heroína quebrar. Assim, ela flutuaria feito um balão de gás.

Controlar o clima é mais complicado. “É possível apressar a chuva quando o céu está fechado”, afirma o meteorologista Mário Festa, da USP. Para tanto, bombardeiam-se as nuvens com cristais de iodeto de prata. A água vai grudando nos cristais até que tudo despenca. Mas a chuva não cai imediatamente. E ninguém jamais viu Ororo jogando minerais para cima. Aliás, se ela tivesse tantos cristais, seria mais fácil atirá-los no bandido do que esperar chover. Mas tudo bem. A gente finge que acredita. Aquelas pernas justificam qualquer coisa.

Ciclope

Scott Summers, o Ciclope, é o líder dos X-Men. Seus olhos emitem constantemente um poderoso “raio de força” que só pode ser detido com óculos especiais

Wolverine

O mais violento e admirado dos X-Men consegue cicatrizar em segundos qualquer ferimento. Além disso, seu esqueleto foi revestido por um metal que corta até diamante

Professor X

O poder do cérebro dos X-Men está – é óbvio –na mente. Ele se comunica por telepatia a uma distância de até 400 quilômetros e pode até imobilizar o inimigo com o pensamento

Magneto

O supervilão é um ímã vivo. Já levantou um navio de 30 000 toneladas usando o poder magnético. Seu maior feito foi arrancar o adamantium do esqueleto de Wolverine

Tempestade

Ororo, ou Tempestade, é capaz de levitar e de controlar o clima. Fabrica tormentas, nevascas e furacões e faz brilhar o Sol quando quer