Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Emissões de carbono quase estacionaram em 2014

A quantidade de dióxido de carbono lançada na atmosfera cresceu apenas 0,5% em 2014

Por Fábio Marton Atualizado em 31 out 2016, 19h03 - Publicado em 27 nov 2015, 17h00

Em meio a um mar de notícias ruins, um pequeno alívio para quem anda exasperado com a mudança climática (e, quem sabe, se escondendo atrás de um ventilador neste instante, como este que vos escreve): um relatório da Comissão Europeia acaba de ser divulgado, revelando que as emissões de dióxido de carbono na atmosfera cresceram apenas 0,5% em 2014.

Pode parecer frustrante que elas ainda assim tenham sido maiores que em 2013, mas foi um grande avanço: na década passada, o crescimento era em média de 4% ao ano. Entre os principais responsáveis pela boa nova estão vários países europeus que diminuíram emissões, como Eslováquia (-10,6%), Reino Unido (-9%) e Alemanha (-5,6%¨). Ironicamente, a própria mudança climática também ajudou, com um inverno particularmente brando diminuindo em 10% a demanda de energia para aquecimento doméstico.

Leia também:
Quanto você contribui para o aquecimento global?
Aquecimento global: está tudo tranquilo?

Os grandes vilões das emissões, China e Estados Unidos, emitiram mais que no ano anterior, mas em velocidade menor que no passado, graças a adoção de fontes renováveis. Ambos registraram um aumento de 0.9%. Compare isso com a Índia, onde as emissões aumentaram 7,6%, tornado o país o quarto maior contribuinte para o aquecimento global, após EUA, China e União Europeia como um todo. O Brasil está em nono lugar, após o Canadá.

A notícia é um bom começo, e torçamos para que este ano seja finalmente o da virada. Mas vale lembrar que o aquecimento global não vai parar por isso. Para que a concentração de gás carbônico na atmosfera se mantenha estável, teríamos de cortar as emissões em 90%. E isso não reverteria o aquecimento, apenas estabilizaria.

E mesmo assim, pode ser otimismo. Um outro estudo saiu agora afirmando que, por causa da interação entre a temperatura global e a emissão natural de metano nos oceanos, um círculo vicioso fará com que o aquecimento seja mais rápido e dramático do que estávamos prevendo.

Fontes: Global Growth in CO2 Emission Plateaus, European Comission Joint Research Centre (via Phys.org) e Global Warming Will Be Faster Than Expected, Linköping Universitet (via ScienceDaily).

Leia mais:
Os novos suspeitos do aquecimento global
Aquecimento global: o começo do fim

Continua após a publicidade
Publicidade