Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Empresa fabrica pele com células do próprio paciente

Tecnologia produz tecidos clonados – e pode revolucionar o tratamento de queimaduras graves. Veja como funciona.

Por Maria Clara Rossini
Atualizado em 30 jan 2024, 12h38 - Publicado em 29 jan 2024, 16h00

Vítimas de queimaduras severas geralmente precisam passar por uma reconstrução cutânea. Hoje, isso é feito retirando pedaços de pele de outras partes do corpo, que são enxertados. Mas, dependendo do tamanho da queimadura, pode ser difícil conseguir pele em quantidade suficiente para realizar o procedimento.

A empresa suíça Cutiss (uma spin-off da Universidade de Zurique) desenvolveu uma tecnologia para tentar resolver isso: a denovoSkin, uma pele artificial feita em laboratório com células do próprio paciente.

Elas são multiplicadas sobre um hidrogel, que funciona como uma base para que se distribuam; depois são extraídas, na forma de tecido. Conversamos com a bióloga Daniela Marino, cofundadora e CEO da empresa.

Como o processo funciona?

Começamos fazendo uma biópsia, do tamanho de um selo, de uma região com pele saudável. Isolamos as células, para então combiná-las com colágeno e multiplicá-las em laboratório. O novo tecido é formado por epiderme [camada mais externa] e derme [a camada logo abaixo].

Continua após a publicidade

A técnica de reconstrução tradicional, usada hoje, aplica apenas uma pequena e fina camada de pele em cima do ferimento, o que geralmente resulta em cicatrizes e necessidade de cirurgias posteriores.

A denovoSkin é maior, o que promete diminuir as cicatrizes e também permite que ela cresça junto com o paciente. Conseguimos criar uma pele artificial com até 100 vezes o tamanho da amostra original, em três ou quatro semanas.

Como fica a aparência da pele artificial no paciente?

Em laboratório, a denovoSkin tem coloração rosa, devido a um composto químico usado no meio em que as células crescem. Quando colocada no paciente, ela não tem cor, porque não contém melanócitos [as células que dão cor à pele].

Continua após a publicidade

Um próximo passo será tentar transferir os melanócitos de uma área pigmentada para a denovoSkin do paciente, e com isso reproduzir sua cor de pele natural. Planejamos oferecer esse tratamento a pacientes que já tenham recebido a pele artificial.

Em que fase de desenvolvimento a tecnologia está?

Completamos o estudo clínico de fase 1 [que avalia a segurança do tratamento], e temos resultados positivos saindo do nosso estudo de fase 2 [que mede a eficácia], realizado com adultos e adolescentes que foram vítimas de queimaduras.

Estamos caminhando para o último estágio de desenvolvimento, e esperamos levar a tecnologia a pacientes em breve. 

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.