GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Escândalo acadêmico

Será que ele carrega genes da violência? Cientistas americanos estão sendo acusados de falsear pesquisas para provar que os ianomâmis são naturalmente agressivos

Flávio Dieguez

A briga é de turma e é a maior que a ciência já viu em muitas décadas. No centro do tiroteio estão os ianomâmis, que teriam sido vítimas da irresponsabilidade de dois pesquisadores americanos: o falecido geneticista James Neel, da Universidade de Michigan, e o antropólogo Napoleon Chagnon, da Universidade da Califórnia. A denúncia é do jornalista americano Patrick Thierney, autor de um livro-bomba, Darkness in El Dorado (Trevas em El Dorado), a ser lançado este mês nos Estados Unidos. Quem já viu o texto prevê um impacto de vários megatons. “O escândalo não tem paralelo na história da Antropologia”, afirma o pesquisador Terence Turner, da Universidade Cornell. Neel, diz Turner, é acusado de dar aos ianomâmis uma vacina de má qualidade, que provocou uma epidemia de sarampo com “centenas ou milhares de mortes”, na década de 60. O livro também ataca a tese “fascista” de Neel e Chagnon – segundo a qual os ianomâmis seriam geneticamente agressivos e violentos – e diz que, para prová-la, os cientistas falsearam dados, encenando conflitos de mentirinha entre os índios. Existem, hoje, 24 000 ianomâmis em cerca de 200 tribos espalhadas pelo sul da Venezuela e norte do Amazonas, e sua cultura é das que menos foi alterada pelo contato com brancos. No outro canto do ringue, vários cientistas defendem os réus. Como o especialista em sarampo Samuel Katz, da Universidade de Duke, para o qual a vacina usada nos anos 60 não era letal, como sustenta o livro. Ou o geneticista brasileiro Francisco Salzano, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que colaborou com Neel durante muitos anos. Recém-nomeado para a Academia de Ciências dos Estados Unidos (que só aceita a elite da pesquisa internacional), Salzano disse à Super que Thierney deveria ser preso por oportunismo . O combate, pelo jeito, está só no primeiro round.

Fraude ou oportunismo?

O geneticista Francisco Salzano, um dos mais respeitados cientistas brasileiros, diz que jornalista americano é oportunista

Como o senhor está vendo as acusações do jornalista Patrick Thierney?

É ridículo. Ele deveria ir para a cadeia. Só fez a denúncia para ganhar fama.

Ele diz que o geneticista James Neel provocou uma epidemia entre os ianomâmis…

Neel, na verdade, combateu a epidemia. E usou vacinas fornecidas pelo Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos.

Qual a importância das pesquisas de Neel?

Graças a ele conhecemos melhor a variação genética entre os índios da América, sua evolução e a ocupação do continente americano.

E o antropólogo Napoleon Chagnon?

Ele fez uma análise da cultura guerreira dos ianomâmis, sem necessariamente afirmar que havia propensão para a violência. A busca do gene da liderança nunca existiu.