Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Glitter afeta bactérias que fazem fotossíntese

Partículas do produto prejudicam ecossistema aquático, mostra estudo da USP.

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 fev 2024, 15h20 - Publicado em 9 fev 2024, 14h48

Carnaval é tempo de dançar e se fantasiar – o que, para muita gente, inclui a aplicação de generosas quantidades de glitter (purpurina) pelo corpo. Depois as pessoas voltam para casa, tomam banho e se esfregam para conseguir descolar da pele as partículas do produto.

E aí elas vão parar em rios e mares, onde se fragmentam e viram microplásticos, que podem ter consequências nocivas sobre várias espécies. Pesquisadores da USP estudaram os efeitos do glitter sobre as cianobactérias, e chegaram a resultados preocupantes (1). A Super conversou com os microbiólogos Maurício Junior Machado e Simone Cotta, autores do estudo.

O que são as cianobactérias, e qual é sua importância ambiental?

São bactérias que fazem fotossíntese. Elas foram as primeiras a gerar oxigênio para o nosso planeta, bilhões de anos atrás. Produzem mais oxigênio do que as próprias plantas e algas. Também são o primeiro nível trófico [a base da cadeia alimentar] do ambiente aquático.

E o que o glitter fez com elas, no estudo?   

Continua após a publicidade

Houve aumento de volume da célula, um mecanismo de proteção. Além disso, a gente teve elevação de alguns pigmentos, como os carotenoides, que atuam como redutores do estresse oxidativo causado durante a fotossíntese. Também houve uma redução da clorofila, que é o principal pigmento de captação de luz.

Uma enorme quantidade de glitter já foi parar nos oceanos. Quais são as possíveis consequências ecológicas disso?

Você diminui a atividade das cianobactérias e das microalgas, e há uma redução do nível de oxigênio na água e da quantidade de peixes. Além disso, os microplásticos não são capturados pelo tratamento de água doce que existe hoje, porque as partículas são muito pequenas. Então, querendo ou não, eles também vão chegar até a gente [e serão ingeridos]

No fim de 2023, a Europa decidiu banir o glitter. Isso deveria ser feito no Brasil também?

Continua após a publicidade

Os estudos com microplásticos, e com o glitter, ainda são muito recentes. Apesar disso, a gente está vendo que eles realmente causam um comprometimento do ambiente, nas mais diferentes esferas. Quando se fala em microplásticos, normalmente se pensa em plásticos maiores, que foram degradados em algum processo.

Mas não é só isso. A proibição pode ser uma medida positiva, que estimule novos meios de sanar essa necessidade de brilho durante as festividades – mas de uma forma mais consciente do ponto de vista ecológico.

Fonte 1. Response of two cyanobacterial strains to non-biodegradable glitter particles. MJ Machado e outros, 2023.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.