Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Grandes primatas rodopiam para ficar tontos – e alterar sua percepção da realidade

Pesquisadores analisaram 40 vídeos em que os animais rodopiavam tão rápido quando dançarinos de balé – para brincar ou sair do tédio.

Por Luisa Costa
Atualizado em 21 mar 2023, 18h50 - Publicado em 21 mar 2023, 18h50

Humanos curtem, você sabe, alterar seu estado mental só pela diversão. Investimos em práticas que mexem com nossa capacidade de resposta e coordenação motora – vide o uso de álcool e outros entorpecentes – além das atividades que provocam alguma tontura, sejam danças, brincadeiras (como atrações de parques de diversão) ou cerimônias.

A tontura auto-induzida é uma maneira de alcançar estados mentais alterados – e a busca por eles aparece em todas as culturas. “Essa característica humana é tão universal que levanta a intrigante possibilidade de que isso seja algo herdado de nossos ancestrais evolutivos”, afirma em comunicado o professor de psicologia Adriano Lameira, da Universidade de Warwick (Reino Unido).

Lameira e Marcus Perlman, pesquisador da University of Birmingham (Reino Unido), encontraram um vídeo de um gorila rodopiando por vontade própria e resolveram investigar melhor. Eles acharam mais vídeos no YouTube (40, no total) de gorilas, chimpanzés, bonobos e orangotangos, todos envolvidos em comportamentos de rotação. Veja um exemplo abaixo:

Por que estes animais estariam fazendo isso? “Se todos os grandes primatas procuram [um estado de] vertigem, é muito provável que nossos ancestrais também o tenham feito”, explicou Lameira. Isto poderia influenciar a maneira como os cientistas pensam sobre as capacidades cognitivas humanas – e sobre nossa necessidade de experiências que alteram a mente.

Continua após a publicidade

Então, Lameira e Perlman analisaram os vídeos dos primatas. Eles descobriram que os animais, podendo pendurar em cordas ou cipós, rodopiavam alcançando uma velocidade de 1,5 rotações por segundo. Eles faziam, em média, três turnos de cinco giros por vez.

A dupla de pesquisadores experimentou rodopiar nessa velocidade e, por causa da tontura, achou difícil alcançar a terceira rodada de giros – a essa altura dos vídeos, os macacos estavam visivelmente tontos, perdiam o equilíbrio e caíam. E eles justamente só paravam de girar quando não podiam fazê-lo mais.

Os pesquisadores também compararam os vídeos com outros de pessoas dando piruetas intencionais e descobriram que os símios poderiam girar tão rápido quanto dançarinos profissionais de balé, por exemplo.

Continua após a publicidade

Os resultados mostraram que o paralelo entre o que os macacos estavam fazendo e o que os humanos fazem está além da coincidência. “Os macacos [rodopiavam] propositalmente, quase como se estivessem dançando – um mecanismo conhecido nos humanos que facilita universalmente a regulação do humor, o vínculo social e estimula os sentidos”, afirmou Lameira em comunicado.

Mais estudos são necessários para entender por que os primatas se envolvem nesse tipo de atividade – e por que nossos ancestrais também poderiam buscar experiências giratórias que proporcionassem algum estado mental alterado.

No caso do estudo, publicado neste mês na revista científica Primates, os pesquisadores acreditam que há alguma uma ligação com a saúde mental – os animais observados eram principalmente indivíduos em cativeiro, que poderiam estar entediados e tentando estimular seus sentidos de alguma forma. “Mas também pode ser um comportamento de brincadeira”, afirmam os autores, como quando crianças alcançam a vertigem em um gira-gira.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.