Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Leite do demônio da Tasmânia pode matar superbactérias

Cientistas descobriram que leite dos parentes do Taz é quase um coquetel de remédios, que pode ser usado contra bactérias resistentes a medicamentos comuns

Por Ana Carolina Leonardi Atualizado em 31 out 2016, 19h03 - Publicado em 19 out 2016, 17h30

Dêmonio da Tazmânia

Bactérias são bichos muito adaptáveis. Não é surpresa, então, que algumas delas estejam chegando perto de conquistar o Grand Slam dos micróbios e serem coroadas pan-resistentes, ou seja, bactérias que os antibióticos de hoje não conseguem matar. Por causa disso, cientistas estão correndo para descobrir novas drogas que consigam acompanhar a velocidade de mutação desses microrganismos. E a solução pode estar em outro bicho nada adorável. 

É o demônio da Tasmânia, marsupial que produz em seu leite um verdadeiro coquetel de remédios. São as chamados catelicidinas, peptídeos que tem o poder de matar micróbios. O próprio leite humano contém um tipo de catelicidina… Já o Taz tem no mínimo seis, segundo concluíram pesquisadores da Universidade de Sidney.

LEIA: O Taz está em extinção – mas um furacão evolutivo pode salvar o demônio

No estudo, os cientistas criaram cópias sintéticas de cada um dos antimicrobianos encontrados no leite do demônio. Depois, testaram sua eficácia contra 25 bactérias. Uma delas era a Staphylococcus aureus, uma espécie resistente à meticilina, parente da penicilina. Os antibióticos naturais do Taz não só mataram bactérias como conseguiram destruir colônias de fungos que também causam infecções em humanos.

Esse potencial todo fez os cientistas se perguntarem porque, afinal, um demônio da Tasmânia precisa de um leite tão matador. Concluíram que, como o bicho é um marsupial, o bebê Taz fica exposto às bactérias do mundo exterior antes do seu sistema imunológico estar completamente desenvolvido. Lá na bolsa da mãe, o feto precisa se fortalecer tanto quanto possível para sobreviver até se tornar um bebê propriamente formado. Um leito altamente antibiótioco, então, vem bem a calhar. E a evolução presenteou o demônio da tasmania com um – vantagem que outros marsupiaos não ganharam.

LEIA: Garota de 25 anos descobre “arma” que pode acabar com as superbactérias

O objetivo dos pesquisadores é que, no futuro, os antibióticos do leite do demônio sejam isolados e comercializados como remédios comuns, que possam combater superbactérias resistentes aos remédios convencionais. Sendo assim, não precisa se preocupar com o gosto do leite do Taz. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)