Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Mandíbula mais rápida do mundo: a formiga que morde a 324 km/h

E ela faz isso com um truque anatômico simples – o mesmo que você usa para estalar seus dedos.

Por Bruno Vaiano Atualizado em 14 dez 2018, 19h55 - Publicado em 14 dez 2018, 19h28

O biólogo Andrew Suarez, da Universidade de Illinois, nos EUA, adicionou mais um item à lista de coisas que você não deve fazer de jeito nenhum antes de morrer (nem depois, de preferência): ser mordido por uma formiga da espécie Mystrium camillae, típica da Austrália e do sudeste da Ásia.

Ele descobriu que as mandíbulas da dita cuja (sim, são duas) alcançam 324 km/h em 0,0015 segundo. Só para fins de comparação, um Bugatti Chiron – que é um carro esportivo realmente muito rápido – demora um pouco menos de 40 segundos para chegar lá. Ou seja: é 25 mil vezes mais lento. Um piscar de olhos é 5 mil vezes mais lento. De fato, esse é o movimento mais rápido já registrado na natureza.

A velocidade razoavelmente alta que você alcança quando estala os dedos é uma boa pista para entender como, exatamente, essa pestinha (chamada popularmente de “formiga Drácula”) faz para fechar a boca tão rápido.

Ao estalar os dedos, um ser humano pressiona o dedo do meio contra o polegar. Os dois se mantêm unidos por um breve momento por causa do atrito. Mas uma hora o dedo médio vence o páreo e acaba escorregando. Ele escapa. Bate com força na palma da mão – e é isso que produz o barulho. Teste essa maravilha da física em casa, leitor – faz uns minutos que a redação da SUPER está estalando os dedos sem parar.

Continua após a publicidade

As mandíbulas da formiga têm a aparência de duas garras, posicionadas na frente da cabeça. O que elas fazem é pressionar a ponta de uma garra contra a outra – da mesma maneira que fazemos com os dedos.

Quando as estruturas finalmente cedem e deslizam, atingem a vítima em ritmo de festa Fórmula 1. Foi preciso usar uma câmera de 480 mil quadros por segundo para registrar o momento em slow motion. Veja no vídeo abaixo:

“Elas estão andando no subterrâneo e, se encontrarem algo como uma centopeia ou um cupim, podem atingi-los com a mandíbula para matar ou atordoar”, explicou Suarez ao The Guardian. A pancada é tão forte que o atingido dá algumas piruetas no ar antes de cair. “Depois, elas podem incapacitar ainda mais o oponente com uma picada, e aí carregá-lo de volta para o ninho.”

Se você se assustou com a violência da formiga Drácula na rua, por favor, não pergunte o que ela faz quando chega em casa. São justamente seus hábitos domésticos que lhe deram nome de vampiro: a dita cuja é incapaz de digerir a própria comida. Por isso, ela primeiro alimenta as larvas – isto é, as formigas bebês – e depois dá uns goles no sangue delas para se nutrir com o produto final, já digerido. Suas definições de “comer criancinhas” foram atualizadas.

Continua após a publicidade

Publicidade