Clique e assine com até 75% de desconto

Mudanças climáticas podem explicar extinção de abelhas, diz estudo

Estudo comparou variações na temperatura com a concentração do inseto na Europa e América do Norte. E mostrou que os números andam lado a lado.

Por Carolina Fioratti 7 fev 2020, 19h45

Que as abelhas estão cada vez mais próximas da extinção, não é novidade. Os insetos, famosos por serem os principais polinizadores de flores e diversos tipos de plantações, estão sumindo de regiões em que antes era comum encontrá-los. E uma nova pesquisa publicada na revista científica Science mostra que as mudanças climáticas podem ser o principal vilão dessa história. 

No estudo, os cientistas compararam o aumento dos termômetros com a concentração de 66 espécies de abelhas na Europa e América do Norte. Eles concluíram que, em regiões que ficaram mais quentes com o passar dos anos ou sofreram mudanças extremas de temperatura, as abelhas estavam em menor número.

O impacto maior parece estar na América do Norte: as chances de observar abelhas por lá diminuíram pela metade quando comparadas a anos anteriores a 1974. Em Ontário, no Canadá, por exemplo, era comum encontrar abelhas enferrujadas (Bombus affinis) pelos parques. Hoje, não sobrou uma para contar história. Apesar do impacto na Europa ser menor, ele também surpreende. A concentração de abelhas do velho continente, segundo estimativas, diminuiu 17% desde o início do século 20.

Há algumas ideias do por quê as abelhas estão sumindo. Acredita-se que esses insetos estão sendo obrigados a tolerar temperaturas a qual não eram submetidos antes. Ou sejam, não estão adaptados. Então, estão realmente morrendo ou migrando para locais mais amenos. 

  • Os zangões (machos das diversas espécies de abelha), costumam ser mais adequados para o clima frio. Tudo porque seu corpo gera calor durante o voo. Com as altas temperaturas, um fenômeno que pode estar em curso é o superaquecimento das abelhas. E mesmo que eles não estejam sendo diretamente atingidos, os notáveis efeitos na flora e vegetação pode estar contribuindo para que os polinizadores morram de fome. 

    Pode parecer exagero, a extinção das abelhas pode colapsar a humanidade. Ou, pelo menos, causar efeitos ambientais severos – sem falar nos danos econômicos. Graças às abelhas e outros insetos, as plantas conseguem se reproduzir e, consequentemente, servir de alimento para outros seres vivos. 

    Claro que as mudanças climáticas não são o único problema relacionado a extinção. O uso de pesticidas, a destruição de seus habitats e a conversão de florestas em plantações também contribuem. No entanto, fica cada vez mais difícil negar que as mudanças climáticas existem e impactam a biodiversidade do planeta.

    Continua após a publicidade
    Publicidade