Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mudanças climáticas tornam CO2 mais potente, diz estudo

A concentração de dióxido de carbono na atmosfera gera um aprisionamento de calor, o efeito estufa. Agora, um novo estudo mostrou que isso aumenta o poder represador do próprio CO2. Entenda por que.

Por Caio César Pereira
Atualizado em 1 dez 2023, 17h44 - Publicado em 1 dez 2023, 17h39

Que o dióxido de carbono (ou CO2), é um dos principais gases responsáveis pelo aquecimento global e mudanças climáticas, isso não é novidade para ninguém. Desde a Conferência de Estocolmo em 1972, os países já debatem formas de frear a emissão desses gases. Mas, é como aquele ditado: nada é tão ruim que não possa piorar.

Na semana que abre a COP28, conferência das Nações Unidas sobre as mudanças climáticas, pesquisadores da Escola de Ciências Marinhas, Atmosféricas e Ambientais da Universidade de Miami fizeram uma descoberta. Segundo um estudo, quanto mais o dióxido de carbono é liberado na atmosfera, mais potente ele se torna.

Publicada na revista Science, a pesquisa mostra que a poluição por esse gás gera um efeito Ouroboros, onde a causa do problema retroalimenta o próprio problema. O CO2 é um dos gases do efeito estufa, ou seja, quanto mais o clima pela sua emissão se altera, mais forte o gás fica.

É isso o que diz Brian Soden, um dos autores do estudo, em nota na publicação do artigo. Soden é professor de Ciências Atmosféricas na Escola Rosenstiel da Universidade de Miami, nos EUA.

“Nossa descoberta significa que, à medida que o clima responde aos aumentos de dióxido de carbono, o próprio dióxido de carbono se torna um gás de efeito estufa mais potente. É mais uma confirmação de que as emissões de carbono devem ser reduzidas mais cedo do que tarde para evitar os impactos mais severos das mudanças climáticas.”

Continua após a publicidade

 

 

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores foram analisar o aumento do CO2 na segunda camada de nossa atmosfera, em uma região superior chamada de estratosfera, que fica entre 11 km e 50 km de altitude. É nessa região que fica a camada de ozônio, região com uma camada do gás ozonio (O3), que protege a Terra contra os raios ultravioleta. 

Continua após a publicidade

Utilizando ferramentas de análise de modelos climáticos, eles observaram o seguinte: a concentração de CO2 gera um efeito de aprisionamento de calor. Já era conhecido que essa região costumava resfriar com altas concentrações de CO2. O problema é que esse resfriamento faz com que o aumento do próprio CO2 tenha um efeito de aprisionar calor ainda maior do que se acreditava. 

E é justamente esse aprisionamento de calor na atmosfera que gera o chamado efeito estufa. Essa quantidade de calor presa na atmosfera pelo aumento do CO2 é chamada de forçamento radiativo, e por muito tempo, se acreditou que era algo que não se alterava muito ao longo do tempo.

A nova descoberta, mostra, porém, que esse não é o caso. O forçamento radiativo não só não é constante, como também muda à medida que o clima responde aos aumentos do próprio dióxido de carbono.

Mesmo com as tratativas e convenções, as emissões de CO2 não diminuíram o suficiente, de forma que essa pesquisa mostra que o contínuo aumento de CO2, podem gerar efeitos estufas ainda piores do que se imaginava.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.