Clique e assine a partir de 5,90/mês

O cavalo tem ar-condicionado para neurônios

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2016, 18h51 - Publicado em 31 mar 2000, 22h00

Depois de horas de galope, o sangue de um cavalo esquenta um bocado. Teoricamente, tanto calor poderia danificar as células do cérebro do bicho. Mas uma nova pesquisa revelou que o eqüino evita o superaquecimento dos neurônios com um curioso sistema de refrigeração, feito de bolsas de ar (veja infográfico). Para chegar a essa conclusão, cientistas dinamarqueses e canadenses implantaram pequenos termômetros nas artérias carótidas dos animais antes e depois da passagem delas pelas bolsas. Perceberam que, ao atravessar os sacos de ar, o sangue esfria até 2 graus Celsius e pode alcançar o cérebro sem causar dano. Esse ar-condicionado não é privilégio dos cavalos. “Outros animais, como pequenos morcegos, usam o mesmo mecanismo para abaixar a temperatura do sangue”, afirmou à SUPER o veterinário Jonathan Naylor, da Universidade de Saskatchewan, no Canadá, um dos autores do estudo.

Cuca fresca

Veja como funciona o sistema de refrigeração dos cavalos.

Depois de mais de 1 hora de exercício, o sangue na cabeça do animal pode atingir até 46 graus Celsius.

Ele é resfriado por bolsas de ar capazes de reter até 0,5 litro de ar fresco.

Depois da passagem, o sangue da artéria segue para o cérebro até 2 graus Celsius mais frio.

Continua após a publicidade
Publicidade