GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O homem não é o único animal racional

Dono de um intelecto insuperável, o Homo sapiens sempre subestimou as habilidades cognitivas das outras espécies. Mas será que a distância separando os humanos dos outros animais realmente é tão grande assim? A ciência vem demonstrando que não.

Se entendermos racionalidade como a capacidade de tomar decisões baseadas em pensamentos lógicos, muitos outros bichos podem ser considerados racionais. “Novas evidências revelam que racionalidade não é um privilégio do homem. Na verdade, ela é mais uma das capacidades compartilhadas por muitos seres vivos – respeitando as singularidades de cada ser”, diz a veterinária Ceres Berger Faraco, especialista em psicologia animal. “Golfinhos e macacos, por exemplo, raciocinam quando se veem diante de novos desafios e decidem se precisam rever as estratégias para enfrentá-los”.

Desafio é o que não falta na vida de Kanzi, um bonobo (parente do chimpanzé) criado com linguagem humana desde que nasceu, há 29 anos. Ele aprendeu nada menos que 400 palavras com a pesquisadora americana Sue Savage-Rumbaugh. O primata consegue até formar frases e conjugar verbos, apontando para uma espécie de glossário com centenas de símbolos.

Humanos também não são os únicos capazes de dissimular. A cientista americana Susan Townsend descobriu que os lobos frequentemente se privam de pegar comida quando outros lobos estão de olho. E que os chimpanzés, às vezes, tampam a cara com as mãos para evitar que outros saibam que estão com medo. “Eles têm senso de si”, diz o biólogo Marc Bekoff, da Universidade do Colorado, nos EUA.

Segundo Bekoff, cachorros podem ser tão racionais que fazem planos para o futuro. E elefantes ficam de luto quando morre um amigo ou parente. Um estudo recente da Universidade de Goethe, na Alemanha, revela que os corvos são capazes de se reconhecer no espelho. E cientistas da Universidade Paul Sabatier, na França, demonstraram que abelhas entendem conceitos abstratos como “equivalente” e “diferente”. Agora responda: dá para continuar achando que somos os únicos animais racionais do planeta?