GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O mesmo átomo ficou em dois lugares

Uma coisa pode estar em dois lugares ao mesmo tempo?

Sim. E não estamos falando do mágico David Coperfield. A proeza foi feita com um único átomo. Em maio de 1996, os físicos David Wineland e Chris Monroe, do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia, em Boulder, Colorado, nos Estados Unidos, colocaram um átomo de berílio em dois lugares no mesmo momento (veja infográfico ao lado). Mas isso aconteceu apenas durante uma fração de segundo. Logo após, o átomo voltou ao seu estado normal, ocupando um único local. Esse foi o pontapé inicial. “Em princípio, não há limitação fundamental para pôr um objeto maior em dois lugares ao mesmo tempo”, diz Wineland. “Mas os obstáculos técnicos seriam enormes”. O problema é o tamanho. Há dez anos, a Ciência só conseguia a proeza com partículas subatômicas. Monroe e Wineland fizeram isso com um átomo 100 000 vezes maior do que qualquer subpartícula, dilatando a fronteira entre fenômenos microscópicos e macroscópicos. O próximo passo é passar do átomo para a molécula. Depois, pode ser a vez dos animais. Quem sabe até racionais.

A mágica da Física

Conheça a experiência que colocou um átomo em dois lugares diferentes.

Gaiola sob medida

Primeiro passo: aprisionar um átomo de berílio dentro de uma gaiola criada por magnetismo.

Cirurgia a laser

Para sujeitar um átomo até ele ficar quietinho, um feixe de laser arranca um de seus elétrons.

Quanto mais frio, melhor

Quando a temperatura chega perto do zero absoluto (-273° Celsius), o átomo fica dentro e fora da gaiola.

Para ter certeza

Para confirmar que ele está cá e lá, os átomos são iluminados com laser. Ele reage aos raios como se estivesse nos dois lugares.