GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Pela primeira vez, cientistas fazem planta brilhar ao ser atacada. Assista

O alarme de emergência das plantas é semelhante ao nosso

Paradas, imóveis, discretas. Como animais prepotentes que somos, tendemos a, naturalmente, menosprezar nossas colegas com folhas. Mas um novo estudo da Universidade de Wisconsin-Madison, EUA, em parceria com a Agência de Ciência e Tecnologia do Japão, mostrou, de forma inédita, o complexo sistema de defesa dentro das plantas por meio de substâncias fluorescentes.

O mecanismo ocorre nos vasos internos da planta quando ela está sob ataque, como a mordida de uma lagarta. O processo demora, no máximo, 120 segundos.

  • Leia na SUPER de outubro uma reportagem sobre esse e outros sistemas inteligentes das plantas

O sistema de alarme de emergência das plantas é algo conhecido, mas essa é a primeira vez que o ser humano consegue ver como isso acontece. Até porque conhecer não significa entender. E os cientistas ainda não entendiam muito bem como essa sinalização ocorria tão rápido.

Veja também

Eles tinham uma suspeita: o cálcio. Para o ser humano, o cálcio (mais precisamente os íons cálcio, que é a forma mais estável dos átomo desse mineral) não só forma dentes e ossos, mas também exerce uma importante função na coagulação, contração muscular, regulação de batimentos cardíacos e atuação de enzimas. Por exemplo: quando nossos neurônios disparam mensagens químicas de alerta, os íons cálcio captam esse aviso e causam a contração dos músculos do coração, fazendo com que ele bata mais rápido. Isso é o seu corpo assumindo funções de alerta, para que você possa reagir quando algo lhe ameaça.

Mas, lógico, as plantas não podem fugir como nós. E nem tem neurônios. Mas os cientistas já sabiam que os íons cálcio desempenham funções sinalizadoras nelas. Principalmente em respostas a qualquer tipo de alteração das condições normais. Foi então que os pesquisadores decidiram visualizar a ação do cálcio em tempo real. Para isso, usaram bioengenharia e produziram uma proteína que fluoresce quando está em torno do cálcio, iluminando o interior das plantas como uma árvore de Natal ou um vagalume.

Usando microscópios e biossensores avançados, os pesquisadores puderam rastrear a presença e o volume do cálcio em resposta a várias lesões, de ações de lagartas a cortes de tesoura. O resultado você pode ver nestes fascinantes vídeos (e gifs!):

 (University of Wisconsin-Madison/Divulgação)

 (University of Wisconsin-Madison/Divulgação)

Isso que você viu nada mais é que a ação dos íons cálcio se afastando do ferimento e se dirigindo para toda a planta. O sinal foi propagado a uma taxa de um milímetro por segundo (1mm/s), que é rápido o suficiente para alcançar os cantos mais distantes do organismo em menos de dois minutos.

Depois que o alarme de emergência se propagou completamente, as folhas começaram a liberar seus hormônios relacionados à defesa, se preparando para um futuro ataque. Nossas colegas com folhas são assim: além de liberarem substâncias químicas que impulsionam o processo de reparo do dano, elas podem também liberar substâncias químicas nocivas aos insetos.

O mais incrível de tudo é que elas fazem isso sem um sistema nervoso centralizado. Não têm nenhum neurônio propriamente dito que avisa o cálcio o que aconteceu. Mesmo assim, as defesas delas são muito eficientes.