Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Rússia pretende enviar espaçonave de propulsão nuclear para Júpiter

Plano da Roscosmos, a agência espacial do país, é lançar nave com um reator pequeno, capaz de gerar o equivalente a 500 kilowatts de energia

Por Luisa Costa
Atualizado em 26 Maio 2021, 18h14 - Publicado em 26 Maio 2021, 18h13

A Roscosmos, agência espacial russa, anunciou que está planejando enviar seu rebocador espacial – veículo que transporta equipamentos e espaçonaves – em uma missão interplanetária em 2030. E o módulo de transporte e energia dessa espaçonave, chamado de Zeus, é de propulsão nuclear. 

O plano é que a missão dure 50 meses e que o rebocador se aproxime da Lua, em um primeiro momento. Pretende-se que ele deixe uma espaçonave por lá e, depois, siga em direção a Vênus, fazendo uma “manobra” usando a gravidade desse planeta para mudar sua rota, dirigindo-se a Júpiter. A ideia é que, fazendo esse caminho, o propulsor da espaçonave seja melhor conservado.

Segundo Alexander Bloshenko, diretor executivo de programas de longo prazo e ciência da Roscosmos, a agência espacial e a Academia Russa de Ciências estão trabalhando em conjunto para fazer os cálculos necessários sobre a trajetória do voo e a quantidade de peso que o rebocador poderá carregar. Os pesquisadores russos começaram a desenvolver o Zeus em 2010, tendo fabricado e testado um protótipo em 2018. Ele possui um mini reator capaz de gerar o equivalente a 500 kW de energia. 

Segundo a agência de notícias russa Sputnik, a Rússia planeja desenvolver uma estação espacial alimentada por energia nuclear – abandonando a Estação Espacial Internacional, que divide com Estados Unidos, Japão, Europa e Canadá, até 2025, segundo a BBC News.

Continua após a publicidade

As vantagens da energia nuclear

Atualmente a maioria das espaçonaves obtém energia a partir do sol, de baterias ou de radioisótopos – átomos instáveis, que, nesse caso, também podem ser chamados de “baterias nucleares”. 

Continua após a publicidade

A energia solar é bastante utilizada como fonte de combustível e também pode carregar baterias em uma espaçonave, mas pode se tornar menos eficaz à medida que a espaçonave se afasta do sol. Enquanto isso, baterias de lítio podem ser utilizadas para missões mais curtas, e os radioisótopos também cumprem seu papel, mas nada disso se compara à energia nuclear. 

Levar um reator a bordo é uma vantagem para as espaçonaves, porque, assim, elas podem explorar regiões mais distantes, frias e escuras do Sistema Solar; realizar longas missões e impulsionar outras espaçonaves mais facilmente. 

Também é uma tecnologia capaz de encurtar a duração das missões. Por exemplo, segundo estimativas da Nasa, espaçonaves movidas a energia solar ou gravidade podem levar mais de três anos para fazer uma viagem de ida e volta a Marte. Enquanto isso, uma espaçonave movida a energia nuclear poderia ser um ano mais rápida. O problema dessa fonte de energia é que ela é delicada e seu uso é complexo, ainda mais no espaço. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.