Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Se apaixonar faz parte do seu cérebro encolher

Entrar num relacionamento te deixa mais feliz - mas pode te fazer perder tanta massa cinzenta quanto um dependente de drogas.

Por Ana Carolina Leonardi 14 dez 2016, 18h01

Se você sente que a paixão atrapalha seu autocontrole, não podia estar mais certo. Para entender porque o amor faz uma bagunça tão grande na cabeça das pessoas, neurocientistas do Instituto Nacional de Ciências Fisiológicas, no Japão, foram observar o cérebro de jovens apaixonados.

Eles recrutaram 113 voluntários e coletaram exames de imagem do cérebro de cada um. Metade deles estava em relacionamentos há pelo menos um mês. O outro grupo era de solteiros. Além das ressonâncias do cérebro, cada participante também precisava responder um formulário sobre sua felicidade no momento.

O que os pesquisadores perceberam é que as pessoas que tinham acabado de entrar em um relacionamento novo eram as mais felizes – e, por coincidência, tinham uma área específica do cérebro reduzida em comparação ao órgão dos solteiros.

Os pombinhos tinham menos massa cinzenta em uma área chamada de corpo estriado dorsal, parte do cérebro envolvida no sistema de recompensa. Esse sistema é responsável por nos fazer sentir bem, processando estímulos positivos – seja fazer sexo, comer chocolate ou usar drogas, por exemplo.

LEIAReligião tem o mesmo efeito no cérebro que sexo e drogas

Continua após a publicidade

Os cientistas não sabem explicar porque o corpo estriado dorsal dos apaixonados recentes era menor, mas a teoria deles é que essa parte do cérebro encolhe em resposta aos “sintomas do amor”. Isso porque a massa cinzenta é uma das estruturas do cérebro que é alterada ao longo da vida, de acordo com a experiência individual de cada um.

O que essa diferença de tamanho sugere é que o corpo precisa se adaptar ao estado de “felicidade total” que nos acomete nas primeiras fases de um relacionamento amoroso, para não sobrecarregar o sistema de recompensa. Afinal, se a pessoa sorri só de pensar no amado, a massa cinzenta precisa segurar o tranco e a diminuição do corpo estriado poderia ser uma tentativa de equilibrar as coisas.

LEIA8 coisas que mostram como o amor pode realmente funcionar como uma droga

Para ter certeza mesmo, os pesquisadores precisam testar se existem alguma mudança na função neurológica causada pela mudança estrutural do corpo estriado dorsal. Aí sim, saberíamos com certeza se esse encolhimento tem alguma coisa a ver com a felicidade e o amor.

Além disso, seria importante acompanhar a forma dessa área cerebral ao longo da vida de alguém, para ter certeza que ela encolhe mesmo. De outra forma, temos o problema da correlação: pode ser, por exemplo, que pessoas com um corpo estriado menor tenham uma tendência natural a se apaixonar.

Nem por isso os cientistas estão totalmente no escuro: como aponta a Sociedade Britânica de Psicologia, outros estudos já mostraram que quando sobrecarregamos o sistema de recompensa do cérebro, o corpo estriado encolhe. Só que essas pesquisas não foram feita com apaixonados – e sim com viciados em cocaína. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês