Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Seu nariz é comprido demais? Culpe o clima

Antropólogos norte-americanos provam associação entre o tamanho médio dos narizes de uma população e a temperatura e umidade do local que ela vive

Por Bruno Vaiano 17 mar 2017, 20h12

Se você não conhece alguém que acha o próprio nariz muito grande, então é provável que você seja essa pessoa. Mas não amaldiçoe seus pais por essa herança respiratória de dar inveja no Pinóquio: eles são só vítimas das napas homéricas de seus avós, que, em última instância, são culpa do clima do lugar onde viveram seus antepassados mais remotos. É o que acabam de descobrir antropólogos da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos EUA. O artigo científico foi publicado no periódico PLOS Genetics na última quinta.

O que dá a cada um de nós um conjunto de características faciais tão único ainda é um mistério para a ciência. É muito difícil concluir se um formato específico de olho ou de boca é produto da seleção natural ou de um processo chamado deriva genética quando as mutações são completamente aleatórias e não caminham necessariamente em direção a uma adaptação vantajosa para espécie. Mark D. Shriver, líder dessa nova pesquisa, não gosta da ideia de que Deus joga dados. E aposta que a evolução deu mais utilidade ao seu nasal sensual do que você imagina.

Para provar, Shriver analisou a largura das narinas e formato do nariz de pessoas de diferentes grupos étnicos e percebeu que as variações eram previsíveis demais para serem resultado de mutações aleatórias. Uma das funções do seu nariz é tornar o ar que você respira mais quente e úmido, do jeito que os pulmões gostam. Em clima frios e secos, narinas estreitas fazem isso com mais eficiência. Em climas quentes e úmidos, narinas mais largas dão conta do recado. O resultado é que conforme o ser humano se estabeleceu em áreas mais e mais distantes da linha do Equador, seus pré-requisitos respiratórios mudaram — e a pressão evolutiva sobre os narizes também.

“Isso só confirma a regra de Arthur Thompson (naturalista escocês)”, contou Shriver à assessoria da universidade. “No final do século 19, ele notou que narizes longos e estreitos eram mais comuns em áreas secas e frias, e que narizes curtos e largos ocorriam em áreas quentes e úmidas. Muitas pessoas testaram a hipótese medindo crânios, mas ninguém havia analisado pessoas vivas.”

O antropólogo lembra que, nesse caso, os critérios estéticos para a seleção de parceiros sexuais podem ter dado uma mãozinha para a evolução de Darwin. Em uma comunidade que dá preferência a napas de porte, pessoas de nariz pequeno terão dificuldades de se reproduzir e deixarão menos descendentes. Embora esse tipo de pressão cultural possa ser aleatória, é mais provável que um determinado tipo de nariz tenha sido adotado como padrão de beleza justamente por se adaptar melhor à geografia local.

Moral da história? Não fique mal. Seu nariz é do jeito que é para o seu próprio bem. Ele não queria te magoar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês