GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Sonda japonesa pousa em asteroide a 300 milhões de km da Terra

Missão Hayabusa2 faz segundo pouso no asteroide Ryugu - e captura rocha que pode contar a história dos primeiros dias do Sistema Solar

Em um desolado corpo rochoso a 300 milhões de quilômetros da Terra, praticamente duas vezes a distância de nosso planeta até o Sol, uma sonda japonesa acaba de fazer história. Pela segunda vez em sua produtiva missão, que já dura quase cinco anos, a Hayabusa2 realizou um pouso na superfície do asteroide Ryugu. Seu objetivo era coletar material subterrâneo — oficiais japoneses afirmam que a arriscada manobra foi concluída com êxito.

É um feito notável para a ciência: pode ensinar sobre as origens do Sistema Solar e até da vida na Terra. Mas também vale muito para a exploração espacial. “Nós nunca havíamos coletado material do subsolo de um corpo celeste mais distante que a Lua”, disse Yuichi Tsuda, gerente do projeto, em uma conferência de imprensa nesta quinta (11). A sonda, que tem as dimensões de uma geladeira, pousou no asteroide Ryugu na noite de ontem, às 20:30 no horário de Brasília. 

Em japonês, Ryugu significa “Palácio do Dragão”. O nome faz referência a um antigo mito sobre um castelo no fundo do oceano. Antes deste pouso, a Hayabusa2 já havia visitado a superfície do asteroide em fevereiro, quando atirou um projétil para levantar poeira e coletá-la. Pouco depois, em abril, a sonda “bombardeou” o corpo rochoso com o intuito de trazer à tona materiais subterrâneos, preservados do contato com a atmosfera e a radiação.

Desta vez, ela desceu para coletar justamente esses detritos das profundezas. São amostras extremamente puras e intocadas, que devem fornecer informações valiosas sobre como era o Sistema Solar pouco após seu nascimento, há cerca de 4,6 bilhões de anos. A sonda permaneceu pouco tempo na superfície e logo retornou à sua posição habitual, na órbita do Ryugu. Havia muita coisa em jogo.

Se algo falhasse, e a sonda não conseguisse voltar, os materiais preciosos seriam perdidos. Mas não foi o caso. Falta pouco para a Hayabusa2 fazer meia-volta e pegar o rumo de casa. Em 2020, ela vai trazer suas ricas amostras até a Terra, para que os cientistas possam fazer análises detalhadas em laboratório. Sua irmã mais velha, a Hayabusa, fez a mesma coisa em 2010. Já não há mais dúvidas: o estudo dos asteroides deu um salto com a contribuição do Japão.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s