Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Sucesso depende mais da origem do que do talento, diz estudo

Pesquisa feita nos EUA afirma que nascer em família abastada e ter boa educação garante mais sucesso do que as habilidades natas

Por Ingrid Luisa
24 out 2018, 17h53

Talvez você já suspeitasse, mas agora cientistas provaram: nascer em uma família abastada garante mais o seu sucesso futuro do que suas próprias capacidades. Ou seja: não adianta nascer superdotado — se a pessoa vier de uma família que não forneça o suporte econômico necessário, isso vai impactar diretamente nos seus resultados mais para frente.

Segundo a pesquisa, as “dotações genéticas” (genes que conferem altas capacidades de aprendizado e inteligência) estão distribuídas quase igualmente entre as crianças vindas de famílias de baixa e alta renda. Mas o sucesso não.

Para constatar isso, Kevin Thom, economista da New York University, utilizou a base de dados genéticos de uma pesquisa que avaliou o genoma de mais de 1 milhão de pessoas, e o relacionou a diferentes potenciais de aprendizado. Essa pesquisa comprovou que há pessoas com genes que conferem altas capacidades de aprendizado, e isso está distribuído em todas as classes sociais.

Mas, o que Thom e seus colegas colocaram em números foi o sucesso futuro das pessoas com esses genes: apenas 24% delas, se nascidas em famílias pobres, conseguem concluir uma faculdade. Já dentre as nascidas ricas, 63% delas concluem o ensino superior.

As diferenças estatísticas ficam ainda maiores ao observar o outro lado, as pessoas que não possuem esses genes: 27% delas, se nascidas em famílias abastadas, se formam no ensino superior. O que é maior que o índice de pessoas pobres com alto potencial de aprendizado.

“Se você não tem os recursos da família, até as crianças brilhantes – aquelas naturalmente dotadas – terão que enfrentar batalhas muito difíceis”, disse Thom. “Muito potencial está sendo desperdiçado. E isso não é bom para eles, mas também não é bom para a economia. Todas aquelas pessoas que não frequentaram a faculdade, mas possuem altos níveis genéticos de aprendizagem, poderiam ter curado o câncer?” indaga o economista Johns Hopkins, colaborador do estudo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.