Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Xingar em voz alta, de fato, diminui a dor

E não adianta usar qualquer palavra. Um estudo mostrou que palavrões mais pesados provocam mais alívio do que outros mais “leves”.

Por Maria Clara Rossini 29 Maio 2020, 15h56

Existe toda uma área de pesquisa que estuda os efeitos “analgésicos” dos xingamentos. Eles aliviam a dor e podem até ajudar a levantar peso. Os resultados podem variar de acordo com a situação – e a quantidade de dor envolvida. Mas uma coisa é certa: falar “carambolas” simplesmente não tem o mesmo efeito de gritar um belo palavrão quando você bate o dedo na quina do armário.

Diversas pesquisas já mostraram a relação entre os palavrões e a redução na percepção da dor, mas ainda não se sabe exatamente como esse efeito funciona. Um experimento feito em 2009, por exemplo, pediu aos participantes para colocar a mão em um balde de água com gelo. Aqueles que xingaram durante o teste perceberam uma diminuição na dor e aguentaram por mais tempo.

Agora, um novo artigo publicado na Frontiers in Psychology mostra que existem diferenças entre os palavrões. O experimento foi parecido com o outro: 92 participantes colocaram a mão em água gelada, com temperatura entre 3°C e 5°C. Eles podiam repetir uma palavra a cada três segundos. Eram quatro opções: o já conhecido “fuck”, uma palavra neutra, que não designa um xingamento, e dois palavrões inventados.

Um deles era “fouch”, uma mistura de “fuck” com “ouch” (interjeição em inglês equivalente ao nosso “ai”). O outro pseudo-palavrão era “twizpipe” (esse era para distrair e provocar uma reação engraçada, mesmo).

  • Como era de se esperar, o bom e velho palavrão foi o mais bem sucedido nos testes. O “fuck” aumentou a tolerância à dor em 33%, ou seja, quanto tempo a pessoa consegue deixar a mão na água. Além disso, o palavrão também aumentou o limiar de dor em 32%, contado a partir do momento em que os participantes diziam que estavam com muita dor. As outras palavras não tiveram efeito significativo.

    O estudo é inglês, mas os efeitos também valem para os brasileiros. O um equivalente tupiniquim honesto para o “fuck” seria algo como “porra” ou “caralho” (desculpe pelo vocabulário, caro leitor). A frequência com que se fala palavrão também influencia a percepção de dor: quem não costuma xingar percebem um aumento de tolerância a dor nesses testes, em comparação a quem tem a boca suja.

    “Ainda não se sabe como os palavrões ganham esse poder. Já foi sugerido que os xingamentos são aprendidos na infância, e que a aversão a eles contribui para esses aspectos emocionalmente estimulantes”, escrevem os pesquisadores.

    Basicamente, se alguém ensinar um palavrão para a criança mas tratá-lo como uma palavra normal, sem tabu, a palavra não vai provocar o mesmo efeito. É essa sensação de “proibido” que traz o alívio. “Isso sugere que a maneira e quando nós aprendemos os palavrões são importantes para determinar como eles funcionam”, dizem os cientistas.

    Continua após a publicidade
    Publicidade