Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Aleph Zero Por Bruno Vaiano Um cara que se perdeu na Wikipedia – e nunca mais encontrou a saída – desenterra curiosidades por trás do noticiário de ciência. Ex-editor da Super, 2021 AAAS | EurekAlert! International Science Reporter Fellow. 1º lugar no prêmio IMPA-SBM de Jornalismo 2020.

A maior bactéria do mundo é visível a olho nu e tem o tamanho de um cílio

Calma, ela não infecta humanos. Mas armazena seu DNA um "pacotinho" separado – algo que não se julgava possível em microorganismos procariontes.

Por Bruno Vaiano Atualizado em 27 jun 2022, 16h26 - Publicado em 24 jun 2022, 16h22

Os fiapos na foto aí em cima, que parecem fios de barba grisalhos, são exemplares da maior bactéria já encontrada ela é visível a olho nu, sem auxílio de qualquer tecnologia de amplificação. O objeto ao lado, que serve de comparação, é uma moeda.

Essa espécie nativa dos mangues da ilha caribenha de Guadalupe , alcança 1 cm de comprimento. Não soa muito impressionante, mas trata-se de um desbunde para os padrões microscópicos dos procariontes: uma bactéria comum é 5 mil vezes menor, com 2 micrômetros.

“Equivale a nós, humanos, encontrarmos um outro humano tão alto quanto o Monte Everest”, explicou em coletiva de imprensa o pesquisador Jean-Marie Volland, do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, na Califórnia (EUA). O diâmetro dela também é anormal: 50 vezes maior que o 2ª lugar no ranking de micróbios imensos.

A dita-cuja foi batizada cientificamente com o binômio lineano Thiomargarita magnifica. A parte do “magnifica” é autoexplicativa. Por sua vez, o gênero “Thiomargarita” quer dizer “pérola sulfurosa” em latim – uma referência ao metabolismo da bactéria, que envolve enxofre, e à maneira como ela refrata a luz, que lhe dá uma aparência perolada e translúcida.

O artigo sobre a Tia Margarita, como achei por bem apelidá-la de agora em diante, está no ar desde fevereiro na forma de um pré-print (quando os pesquisadores soltam um PDF gratuito antes do trabalho passar por revisão ou edição, para adiantar a novidade informalmente à comunidade científica). Agora, o trabalho – assinado por vinte pesquisadores de várias universidades americanas e francesas – acaba de sair no famoso periódico especializado Science.

Continua após a publicidade

A Tia armazena seu DNA (e suas fábricas de proteínas, os ribossomos) no interior de organelas. Ou seja, ela tem algo parecido com um núcleo, sendo que uma das características definidoras das bactérias é justamente não possuir núcleo – esses microorganismos armazenam seu material genético em único cromossomo, que tem forma de anel e flutua livremente no citoplasma. Pedacinhos de DNA menores e desassociados do cromossomo principal, chamados plasmídeos, boiam em volta. 

Células com núcleo são exclusividade dos eucariontes organismos mais complexos como animais, plantas, fungos e protozoários, que podem ou não ser multicelulares. As bactérias, sempre unicelulares, pertencem ao grupo dos procariontes, anucleados. O que significa que a Tia Margarita borra, de maneira inédita, uma fronteira fundamental na árvore da vida (ainda que, geneticamente, ela exiba tudo que se espera de uma bactéria comum sem trechos de DNA que indiquem qualquer similaridade com eucariontes).

Outra característica fascinante da Thiomargarita magnifica é que a maior parte de seu interior é oco, ocupado por uma vasta estrutura vazia chamada vacúolo, onde não rola muita atividade.

A razão é a seguinte: o problema de ser uma bactéria muito grande é que você não têm algo equivalente a um sistema circulatório para distribuir nutrientes e excrementos por todo seu imenso corpinho. E as moléculas úteis para seu metabolismo, deixadas à revelia, demorariam um bocado para se distribuir sozinhas pelo citoplasma (“citoplasma” é o recheio aquoso da bactéria, onde flutuam as organelas e rola o metabolismo).

O vacúolo reduz em aproximadamente 80% o espaço ocupado pelo citoplasma, concentrando a atividade bioquímica num volume menor e mais viável.

Ser imenso traz muitas dificuldades como essas, o que leva à questão final: por que a seleção natural propiciou a existência de um micróbio tão grande? Os pesquisadores ainda não sabem, e talvez jamais descubram: é muito difícil fazer engenharia reversa das pressões seletivas que levaram um ser vivo a ser como é. Uma possibilidade (sempre aventada quando o assunto é tamanho) é que seu porte seja uma maneira de protegê-la de micróbios menores. De fato, quem compraria uma briga com o Everest?

Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
A maior bactéria do mundo é visível a olho nu e tem o tamanho de um cílio
Calma, ela não infecta humanos. Mas armazena seu DNA um "pacotinho" separado – algo que não se julgava possível em microorganismos procariontes.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade