Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Alexandre Versignassi

Por Alexandre Versignassi
Blog do diretor de redação da SUPER e autor do livro "Crash - Uma Breve História da Economia", finalista do Prêmio Jabuti.
Continua após publicidade

Privatizar a Casa da Moeda não é problema. Nosso buraco é outro

Quase todos os países do mundo terceirizam a fabricação do próprio dinheiro. O problema no Brasil é a falta de moral do governo para propor qualquer mudança

Por Alexandre Versignassi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 24 ago 2017, 14h27 - Publicado em 24 ago 2017, 13h03

Sobre a privatização da Casa da Moeda. São 193 os países filiados à ONU. Desses, 150 têm o seu dinheiro de papel produzido por uma empresa privada, a De La Rue, fundada em 1821.

Eles fazem as libras, uma parte das notas de euro, diversos pesos, e, como são da velha guarda, já imprimiram cruzeiros para o Brasil. Também produzem passaportes, selos e cartas de baralho.

O faturamento da De La Rue em 2016 foi de R$ 1,8 bilhão. O da Casa da Moeda brasileira, de R$ 2,4 bilhão. Ou seja: o governo paga mais para a Casa da Moeda do que 150 países juntos pagam para a De La Rue. Recentemente, o Banco Central encomendou uma batelada de notas de R$ 2 para a estatal, pagando 40% a mais pelas cédulas do que pagava para o fornecedor antigo, uma gráfica da Suécia. Por essas, a Casa da Moeda está na mira da Polícia Federal: a Operação Esfinge investiga R$ 6 bilhões em contratos superfaturados, que teriam envolvido R$ 70 milhões em propina. Não chega a ser uma Lava Jato, mas já mostra o quão lamacento é o terreno em volta da gráfica que fabrica o nosso dinheiro.

Ineficiência à parte, o fato é que imprimir dinheiro é um negócio igual outro qualquer, tanto que a própria Casa da Moeda do Brasil faz cédulas de pesos para a Argentina, e nós mesmos encomendamos notas para de vez em quando para fora, caso das notas de R$ 2 que eu mencionei ali em cima. O dono da impressora pode ligar as máquinas de madrugada para imprimir dinheiro pros parentes? Pode. Do mesmo jeito que o McDonald’s pode usar os pontos de venda que tem para traficar crack. Que dá, dá, mas o risco é grande o bastante para que não valha a pena cogitar a hipótese.

Não digo isso para dar aval a este governo. Um governo com índice de rejeição acima de 90% e manchado por evidências gritantes de corrupção não tem moral nem para privatizar, nem para estatizar. Se este governo declarar guerra contra a Coreia do Norte, capaz de bombar a venda de camiseta da Coreia do Norte na 25 de Março. Mas nada justifica usar a mentira como arma ideológica. E semear que a privatização da Casa da Moeda significa uma perda de soberania nacional é espalhar uma mentira.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.