Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Covid pode afetar mais de 70% da placenta – e impedir transmissão de oxigênio para o feto

Estudo que analisou 68 mulheres de 12 países, incluindo o Brasil, revela perigo associado ao Sars-CoV-2 na gravidez; gestantes não haviam se vacinado contra a doença, que dobra o risco de perder o bebê

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 fev 2022, 14h12 - Publicado em 21 fev 2022, 13h56

Estudo que analisou 68 mulheres de 12 países, incluindo o Brasil, revela perigo associado ao Sars-CoV-2 na gravidez; gestantes não haviam se vacinado contra a doença, que dobra risco de perder o bebê

Ter Covid durante a gravidez dobra o risco de perder o bebê: em uma análise realizada pelo CDC americano, 1,26% das gestantes com Covid perderam seus filhos, contra 0,65% das demais. Ou seja, o vírus nem sempre causa desfechos adversos na gravidez. Mas, quando ele faz isso, sua ação pode ser devastadora – e com um mecanismo especialmente cruel. 

Um novo estudo publicado por cientistas de 12 países (no Brasil, a Fiocruz) analisou os casos de 68 gestantes que tiveram Covid e perderam seus bebês. Em 64 deles, a infecção interrompeu a gravidez (isso ocorreu, em média, após 30 semanas de gestação). Nos quatro casos restantes, a criança chegou a nascer, mas morreu dias depois. 

Segundo os autores do estudo, as 68 grávidas não haviam se vacinado contra o Sars-CoV-2. Um ponto que chama a atenção é que nenhuma delas teve Covid severa, que exigisse ventilação mecânica ou internação em UTI – e, mesmo assim, a doença causou consequências fetais graves. 

Continua após a publicidade

Ao contrário de outros vírus, que podem atacar diretamente o feto, o Sars-CoV-2 afeta a placenta (um órgão temporário que se forma durante a gestação e é responsável por fornecer nutrientes ao feto). Todas as 68 placentas analisadas testaram positivo para o Sars-CoV-2 e apresentaram danos causados pelo vírus, que afetou em média 77% do tecido placentário. “A extensão do dano placental é impressionante, e excede muito a destruição tipicamente vista com outros agentes virais”, afirma o estudo. 

ilustração
A placenta é um órgão temporário que se forma durante a gravidez e controla a passagem de oxigênio e nutrientes para o feto. (Wikimedia Commons/Reprodução)

 

O dano mais comum, presente em 100% dos casos, foi a deposição anormal de fibrina, uma proteína que forma placas na placenta. “A fibrina obstrui a perfusão [passagem de sangue] normal e a troca de gases e nutrientes, resultando em isquemia e necrose”, relata o estudo. Ou seja: o feto é privado de oxigênio, e não sobrevive. 

O coronavírus provocou intervilosite histiocítica, que é um acúmulo de histiócitos (células do sistema imunológico da mãe) em torno da membrana placentária, uma inflamação que também prejudica a passagem de nutrientes para o feto. É uma condição rara, que normalmente afeta menos de 0,5% das gestantes – mas, no estudo, foi detectada em 97% das placentas analisadas. O Sars-CoV-2 também causou danos vasculares, com tromboses e microhemorragias, às placentas de 37% das gestantes.

O Sars-CoV-2 ataca a placenta quando há viremia, ou seja, ele consegue passar das vias aéreas para a corrente sanguínea – e então alcançar vários outros órgãos (além da placenta, o vírus pode afetar o coração, os rins, o fígado e o intestino, entre outros).

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.